Apoiar B = Ser anti-A. Que parvoíce

31/10/2009

Pedro Passos Coelho (PPC) e os seus apoiantes já andam em campanha há 1 ano, desde então à espera que Manuela Ferreira Leite (MFL) saia para que o partido lhes caia no colo. Pouco ético, egoista, mas legítimo.

Depois de passar o ciclo eleitoral, e de MFL ter dito que marcaria eleições em Março 2010, apareceram vários apoiantes de uma hipotética candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa (MRS), muitos deles seriam até putativos candidatos. Humilde, altruista, e legítimo.

Perante isto os apoiantes de PPC vêm agora dizer que os que apoiam MRS são nada mais do que militantes anti-PPC. Infelizmente a campanha interna tem vindo a fazer-se nestes moldes. Os do lado A dizem que os outros estão do lado B porque são anti-A. Por favor, é necessário discutir ideias, programas, perfil, carácter.

Nas últimas eleições internas apoiei MFL, mas não por ser Anti-PPC ou Anti-PSL (Santana Lopes). Aliás gosto muito de PSL, apoiei-o em 2004 e acho que em condições normais daria um excelente líder do PSD, dos melhores que o partido alguma vez tería. Gosto da sua maneira de estar e do seu perfil. Simplesmente em 2008 achei que MFL era melhor para o PSD e para Portugal. Isso leva-me a ser anti-PSL?

Pelo amor de Deus. Faz-me confusão como alguns senhores, que são tidos como referências, vêm dizer bojardas (anti-PPC) destas na comunicação “dita” social. Só há uma razão: Interesses pessoais. E para lutar por eles vale tudo, até ser desonesto intelectualmente. Uma vergonha.

Anúncios

Face meio Oculta

30/10/2009

José Sócrates sobre “Face Oculta”: “Não comento processos judiciais”

… a não ser que me envolvam directamente


Rangel à imagem de Rio

29/10/2009

Paulo Rangel à imagem de Rui Rio, disse na RTP que não deixará o mandato para o qual foi eleito no PE (respeitando o voto dos portugueses), para ser candidato à liderança do PSD. São este tipo de atitudes que valoriza os políticos e a política. Com mais gente assim a política tem futuro e Portugal será melhor. É este tipo de políticos, que quero a liderar o meu partido, que quero a governar o meu País.

Os caciqueiros pensarão que Rangel não se candidata por não ter “peso” dentro do partido, por não ter “tropas”, por não dominar a “máquina”. Mas nem tudo passa por tácticas pessoais e corporativas. Ainda há pessoas que conhecem as suas capacidades e as suas limitações, que respeitam o voto dos portugueses, e que estão na política para servir e não para se servir.

Surpreendente para alguns, e nem tanto para outros, foi o apoio claro e inequívoco que Rangel deu a Marcelo Rebelo de Sousa. No cenário actual, apenas Passos Coelho é candidato à liderança, e nenhum dos chamados notáveis se perfila para o defrontar. Rangel sabe que com PPC a líder, o PSD não sería o de Sá Carneiro, e por isso pressionou MRS para avançar. Mais uma vez, fez bem.


Mais um “chico-esperto”

29/10/2009

Operação Face Oculta: Armando Vara constituído arguido

Vara descobriu mais cedo que alguns, que sendo um “chico-esperto” poderia chegar mais longe neste país. Prova disso é a sua chegada ao Governo depois de muito cacique dentro do PS, a licenciatura em Relações Internacionais na famosa Univ. Independente 3 dias antes da nomeação para a administração da CGD, ou a promoção ao escalão máximo de vencimento 6 semanas depois de ter entrado na administração do BCP.

Em Portugal, infelizmente, casos como este eram raros e agora são mais que muitos. E são este tipo de coisas que nos estão a levar para o abismo. Os níveis de corrupção e pouca vergonha estão prestes a chegar aos sul-americanos.

O pior é que nenhum de nós mexe uma palha ou se indigna com este tipo de situações. Porquê? Porque o que queremos não é acabar com isto, é simplesmente fazer parte. Para disfarçar, vamo-nos indignando com Vale e Azevedos e companhia. Esquecemo-nos é que estes nunca tiveram um cargo público e aqueles estão fartos de os ter e de se aproveitar deles para enriquecer iliciatamente e brincar com o nosso dinheiro e futuro.


Governo de “yes men”

28/10/2009

A nomeação dos Ministros do novo governo já foi muito dissecada, e esperava-se a nomeação dos Secretários de Estado, que muitos dizem ser por vezes mais importante, por serem estes efectivamente a mandar nos ministérios.

Quando se esperava uma abertura do governo à sociedade civil, e a tentativa de chamada ao executivo de pessoas com provas dadas ao nível profissional nos mais diversos sectores, as soluções de José Sócrates passaram por dar o poder ao PS e aos seus “yes men“.

– José de Almeida Ribeiro (ex-acessor do PM) será Secretário de Estado Adjunto de José Sócrates.
Pedro Lourtie (ex-chefe de gabinete do PM) será Secretário de Estado dos Assuntos Europeus
– Óscar Gaspar (ex-acessor do PM) será Secretário de Estado da Saúde
– José Magalhães (ex-Secretário de Estado Admin Interna) passará para a Justiça
José Junqueiro (autor do caso das escutas) será Secretário de Estado da a Administração Local
Fernando Medina (ex-Secretário de Estado do Emprego) será Secretário de Estado da Economia
– Carlos Zorrinho (ex-Coordenador da Estratégia Lisboa e Plano Tecnológico) será Secretário de Estado do Plano Tecnológico.
– Paulo Campos (o tal que tentou comprar Joana Amaral Dias) continua como Secretário de Estado Adjunto, das Obras Públicas e das Comunicações
Laurentino Dias (fiel “defesa central” do PM) continua como Secretário de Estado da Juventude e do Desporto

E a cereja no topo do bolo: Marcos Perestrello – “ponta de lança” do PS na RTP e cópia de Silva Pereira, que por sua vez é cópia Sócrates – será Secretário de Estado da Defesa Nacional, fazendo uma dupla temível com Augusto Santos Silva. Os dois homens que mais malharam na oposição juntos pelas armas.


O país dos “chicos-espertos”

28/10/2009

Mais um filho, que trabalha na empresa liderada pelo pai, que foi nomeado para o cargo pelo primeiro-ministro, mas que obviamente contratou o filho pelo mérito, e nunca por qualquer tipo de cunha, por isso a ética nunca se pôs, porque as capacidades do mesmo dissipariam quaisquer dúvidas.

Mas no final o filho vê-se envolvido num escândalo de corrupção, que envolve a empresa liderada pelo pai, e outras para as quais trabalha, e que vai-se a ver e são do primo, ou do cunhado, ou do amigo de faculdade.

E assim vai este país, à beira mar plantado (prestes a afogar-se) que um dia alguém disse – e muito bem –  ser dominado por “chicos-espertos”. Mas pudera, quando somos governados por pessoas desta estirpe…


Já não colava com um, mente-se com outro

28/10/2009

Em 2005 José Sócrates fartou-se de mentir aos portugueses em campanha (baixa de impostos, 150.000 empregos, etc) e venceu assim as eleições legislativas.

Em 2009 José Sócrates não poderia fazer o mesmo, e por isso foram os seus camaradas do PS a fazê-lo. Alberto Martins, como prémio foi escolhido para ser Ministro.


%d bloggers like this: