Junta comete crime ambiental na Fig. da Foz

Dois crimes ambientais foram cometidos na freguesia de Maiorca, concelho da Figueira da Foz. E por mais improvável que pareça (ou não) estes crimes tiveram a mão da nova Junta de Freguesia, eleita há pouco mais de 3 meses, e presidida por Filipe Dias. A poda que a Junta mandou fazer aos plátanos da “feira velha” transformou-se – por manifesta incompetência e ignorância – num massacre. Cortaram os fortes ramos com motoserras, e deixaram as árvores em estado lastimável (como disse o autor do blog figueiranafoz, citando alguns moradores).

Não contentes, por terem destruído os plátanos que estavam na “feira velha”, e eram até hoje o pórtico na entrada da freguesia, os membros da actual Junta deram ordem para devastar o eucaliptal junto do Parque do Lago (que nem sequer pertence à Junta, mas à Câmara Municipal). Tal como diz o Diário de Coimbra: Aquele eucaliptal dava acesso a um espaço privilegiado… e que contempla designadamente um moinho, a piscina, o largo da feira […] onde “muita gente no Verão fazia piqueniques, aproveitando a sombra“, dizia um maiorquense. Outro habitante disse que “a outra junta gastou tanto tempo e dinheiro a tratar disto, para agora virem estes e deitarem tudo abaixo“.

Filipe Dias, já consciente da borrada que fez, tenta explicar dizendo que “os eucaliptos já não dão mais“. Desculpa esfarrapada e fácilmente rebatida por Francisco Caetano que em comentário à notícia dizia: “devido ao seu porte, localização e idade, assumem características de povoamentos em espaço de protecção e lazer cujo valor patrimonial e paisagístico vais sempre aumentando.”

Outro comentador e Figueirense indignado sabe do que fala. António Patrão (Engº Florestal) da Autoridade Florestal Nacional dizia: “É pena que em Portugal a democracia ainda consiga elejer a imbecilidade… Há crimes irreparáveis?“. Era precisamente com este tipo de especialistas que a Junta se devia ter aconselhado antes de fazer tal barbaridade. Algo que o anterior Presidente da Junta, José Ligeiro, conscientemente fez: há uns anos atrás, pediu ao especialista Francisco Coimbra (considerado como uma referência em termos de árvores florestais e ornamentais), que aconselhasse “e ele veio dar explicações como se devia cortar. A opinião era que nem se devia mexer, mas a cortar, nunca se deve cortar os troncos, para preservar“.

Fernando Campos, no seu blogue, diz que “Os animais que perpetraram esta selvajaria têm nome e, pelos vistos, impunidade: Filipe Dias, o jovem presidente da Junta de Freguesia de Maiorca“. Eu concordo e acrescento que isto não se tratou só de ignorância e incompetência. Tratou-se de um acto arrogante e provocador á população. Uma tentativa de “mostrar quem manda” á sociedade civil maiorquense. Mas saiu o tiro pela culatra. Cometeram um erro irreparável. Exige-se um pedido de desculpas publico á população. E os maiorquenses não podem ficar calados. Têm de o exigir.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: