O Portugal que não quero (VIII)

Estaciono o carro num parque do Largo da Graça em Lisboa com uma rapariga indigente a dar indicações. Era jovem e deu-me pena, apesar de ser certo que era tóxicodependente.

Meti as mãos aos bolsos e vi que não tinha tostão. Simpático disse-lhe “vou ali ao café e na volta dou-te”… recebi como resposta “só se for rápido porque daqui a pouco vou embora”…

Anúncios

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: