Sondagens por encomenda

Já o disse e escrevi várias vezes: Para mim, as Sondagens (ou Estudos de Opinião) são encomendadas por partidos ou políticos e servem para tentar influenciar – num sentido ou noutro – a opinião dos eleitores menos esclarecidos.

Se não fossem encomendadas as Sondagens não teriam resultados tão díspares em tão curto espaço de tempo. Ao contrário do que se diz, o mundo não muda em 15 dias, muito menos se nada de relevante aconteceu para tal.

Como diz o ditado: “à 1ª caem todos, à 2ª cai quem quer, e à 3ª só cai quem é burro“. Da experiência que temos, podemos interpretar sozinhos as Sondagens. Quantas vezes já vimos estes estudos falhar? E não é por décimas…

Quem não se recorda recentemente das sondagens nas Europeias 2009? Chegaram a dar 40% ao PS, colocavam o PSD nos 30% e o CDS abaixo de 3%. Ora, os resultados foram: PSD – 32%, PS – 26% e CDS – 10%. Conseguem ver as diferenças?.

Tenho comigo um estudo feito em 2002 que um dia partilharei. Nesse estudo podem ver-se Sondagens vs Resultados das Autárquicas 2001. Se bem se lembram, foi à custa destes resultados que PS e Guterres abandonaram o Governo.

Nesse estudo todas as sondagens dão derrota a Rui Rio, Luís Filipe Menezes, Fernando Seara, António Capucho e Pedro Santana Lopes. Rio e Menezes tinham 20% das intenções. O voto dos eleitores deu vitória, sem margem para dúvidas, a todos.

Nos últimos dias vêm as empresas lançar Sondagens “sérias” (mesmo que delas façam pouca publicidade) para depois poderem, no dia dos resultados, dizer que acertaram ou que foram as que estiveram mais próximas, disfarçando a encomenda.

Se eventualmente alguém se der ao trabalho de recolher alguns dados, e se insurgir contra o “trabalho” destas empresas (como fez o CDS em 2009) logo os responsáveis vêm desculpar-se com a imprevisibilidade da abstenção, e dos votos nulos/brancos.

Anúncios

2 Responses to Sondagens por encomenda

  1. cefaria diz:

    Contudo há uma tendência nítida nos últimos tempos: ligeira subida do PS e acentuada descida do PSD.
    Claro que o PS nem precisa de fazer muito para o PSD descer, não tanto as opções de Passos, mas mais o papel dos comentadores conotados com o PSD que se encarregam de erodir o partido para ver se este fica na oposição nesta crise (objectivos de médio prazo com certeza).
    A falta de um programa que mostre ao País que Passos tem uma ideia para Portugal (mesmo que condicionado pelo FMI), também dava uma grande ajuda para credibilizar a competência e capacidade do líder laranja.

  2. Anónimo diz:

    Veja-se os casos da Intercampus e Marktest que fizeram as sondagens, uma nos dias do congresso (não se precisa de dizer de que partido é) e outra logo a seguir, ambas deslocadas do período que normalmente costumam fazer os inquéritos, foi a pedido de alguém. Pois se nesses 3 dias a cobertura mediática estava concentrada num certo partido, naturalmente que iria trazer possivelmente bons resultados. Mas houve uma falha, a Marktest teve de fazer outra sondagem logo a seguir, pois os resultados da primeira (11, 12, 13) culpavam um chefe do governo da crise em que estamos (86%) e eram catastróficos para o seu partido. Então realizaram uma segunda sondagem (15, 16, 17) para satisfazer então o pedido.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: