O objectivo não foi tirar os títulos, foi dá-los!

A Assembleia Municipal de Torre de Moncorvo decidiu “abolir os títulos académicos das suas sessões”. Acabaram com o “Sr. Doutor”, o “Sr. Engenheiro”, o “Sr. Professor”, o “Sr. Arquitecto” quando se dirigem uns aos outros em plenário.

Portugal praticamente acordou com esta notícia na crista da onda. E muitos se apressaram a partihá-la nas redes sociais, como se se tratasse de um grande feito. Um exemplo a ser seguido pelo resto do país (organizações e pessoas).

Ora eu acho que mais valia envergonharem-se…

Primeiro, porque estamos em pleno século XXI, e em Portugal embandeira-se em arco com uma coisa que já deveria ter sido adoptada há muitos anos.

Segundo, porque ao invés de (como escrevi no parágrafo anterior) adoptarmos esta maneira de ver as pessoas, sem títulos, ela tem, mais uma vez, de nos ser imposta.

Terceiro porque a intenção da decisão é má. A A.M. Torre de Moncorvo decidiu acabar com o “Sr. Doutor, Engenheiro, Professor, Arquitecto” mas substituiu-o pelo “Sr. Deputado” e “Sr. Vereador”.

Disse o presidente da Assembleia Municipal que “não há maior condição do que ser deputado municipal“. Ou seja, o objectivo não foi tirar o título a quem já o tinha, mas dar um título a quem não tinha.


Post Scriptum 1 – Sou Engenheiro Electrotécnico, formado numa das melhores escolas de engenharia do mundo, a FEUP. Tenho orgulho na minha licenciatura, na minha formação, na minha especialidade. Mas o meu nome é Luís. Compreendo que por vezes, por ser mais fácil, tratemos certas pessoas por “Sr. Doutor” ou “Sr. Engenheiro”, também o faço. Mas não confundamos as coisas. O problema é que em muitos meios portugueses (especialmente na política) os títulos são abusivamente utilizados como uma maneira de as pessoas se superiorizarem às outras.

Post Scriptum 2 – Este é um tema que tenho abordado muitas vezes, quando se trata da política Tirsense. Em Santo Tirso, os políticos gostam muito dos seus títulos, porque os fazem sentir superiores ao próximo. Apesar de se conhecerem há anos, tratam-se uns aos outros, em público, por “Sr. Doutor” ou “Sr. Engenheiro” e assinam documentos com o título em prefixo/sufixo (ex. “António Alberto Castro Fernandes, Eng°.). Um conhecido vereador, candidato derrotado e ex-presidente do PSD até chegou a confessar em privado que iria tirar um curso nocturno num universidade privada, para poder subir na hierarquia do partido.

5 respostas a O objectivo não foi tirar os títulos, foi dá-los!

  1. Francisco Pereira diz:

    Concordo! O exemplo mais recente em Santo Tirso envolveu os dois candidatos à União de Freguesias de Santo Tirso. O candidato das elites (PSD), que foi derrotado, era tratado como “Doutor”, já o candidato do PS, que tem uma licenciatura com mais valor do que a do PSD, era tratado por Jorge Gomes.

  2. Gabriela Reis diz:

    Soube de fonte fidedigna que alguns dias antes das eleições no FC Tirsense, que o Ricardo Rossi e o Zé Pedro Miranda, estiveram reunidos com o Joaquim Couto e com o Zé Pedro Machado, para tratar da candidatura aos órgãos sociais daquela instituição. Agora percebe-se a postura de Zé Pedro e do Ricardo Rossi nas últimas eleições autárquicas. É esta podridão que degrada a sociedade Tirsense.

  3. Josue Nunes diz:

    Aqueles que defenderam com unhas e dentes o José Pedro Miranda, agora estão em silêncio absoluto. Percebe-se que se sintam embaraços com a derrota e com a sucessão de situações em que o José Pedro Miranda se envolveu. Primeiro, foi para a direção dos bombeiros amarelos, e como alguém escreveu e muito bem, para suceder a Carlos Oliveira e branquear a gestão danosa dos bombeiros amarelos. Para que conste, o José Pedro Miranda que integra a direção, neste momento já é cumplice da situação de degradação económica a que chegaram os Bombeiros Tirsenses. Em segundo lugar, foi o acordo com o Ricardo Rossi do CDS e com o presidente da câmara para es aleições no FC TIrsense. Paravras para quê…..???

  4. José Pedro Miranda diz:

    OJosé Pedro Miranda nos seus escritos e comunicados como presidente da junta de SAnto Tirso cortou sempre o senhor doutor..

  5. O exemplo reflecte bem o que se passa na CMSTIRSO. Todos se tratam por Doutor (quando têm uma licenciatura rasca tirada à custa de equivalencias, cunhas e favores…), Engenheiro, Arquitecto etc. Há uma distância que não é nada saudável nem normal. Se alguém se esquece do pseudo título é o fim do mundo…
    Apenas para corrigir que o antigo presidente da câmara não assinava como Engenheiro, alias até pedia para retirar dos documentos escritos o “Eng” e quando continha o “Eng” riscava o mesmo, mas tal situação não acontece com o Actual que faz questão que todos os documentos sejam como “Dr Joaquim Couto”. É um servilismo total, uma ditadura com o novo presidente. Volta Castro Fernandes, estás perdoado. Santo Tirso precisa de ti! Rua Couto, volta para as tuas empresas, já tens tacho que chegue.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: