Conflito Israelo-Palestiniano. Gasolina para a mente

Nos últimos tempos, os portugueses foram como que obrigados a economizar. E a maioria levou-o longe demais. A crise levou a maioria dos portugueses não só a economizar no seu rendimento mas acima de tudo a economizar no seu intelecto.

Já sabiamos que a maioria dos portugueses tinham opinião sobre tudo e mais alguma coisa. Era como se houvesse um pouco de Nuno Rogeiro em cada um. Mas nos últimos tempos começaram a opinar sobre tudo de forma superficial. Como se o vírus Prof. Marcelo tivesse atacado.

Bem sei que isso se deve muito à quantidade e à velocidade a que a informação nos é passada hoje, através da internet e das redes sociais. Mas custa-me a aceitar que isso seja desculpa para que a maioria escreva e diga coisas ignorando profundamente a realidade.

Pelo contrário. Em 5 minutos qualquer ignorante (Dicionário da Língua Portuguesa: aquele que não sabe ou não tem conhecimento) pode, através da internet, encontrar informação que lhe permita ter uma ideia ou ajude a construir uma opinião minimamente fundada.

Isto vem a propósito das coisas que tenho lido e ouvido nos últimos dias sobre o conflito israelo-palestiniano. Em que a maioria alinha pelo diapasão e pelo que é considerado – em Portugal – políticamente correcto. Isto é, os Israelitas são os “maus” e os Palestinianos são os “bons”.

Contar-se-ão pelos dedos de uma mão, aqueles que, quando questionados, serão capazes de explicar e argumentar esta sua opinião. Opinião essa que tem de tudo menos “sua”. É apenas a opinião de “todos”. A da “maioria”. Aquela que à partida parece a melhor.

Tenho muitos amigos que se deixam caír nesta tentação. E como os prezo, tenho entrado em saudáveis discussões com alguns deles. Tentando evitar que sejam confundidos com carneiros, sem capacidade intelectual ou personalidade, tomando para si a opinião que “fica bem”.

O que tenho feito é simples. Apresento alguns factos e opiniões, na esperança que estes os façam ligar o motor do intelecto. É que se há assuntos que não são passíveis de terem apenas um lado A e um lado B, o conflito israelo-palestiniano é um deles.

Há o lado religioso, mas também o lado político, geográfico, militar, histórico, etc. Há milhares de anos que aquela zona está, como se costuma dizer, em “pé de guerra”. Exemplo? Jerusalém foi destruída 2 vezes, sitiada 23 vezes, atacada 52 vezes, e capturada e recapturada 44 vezes.

Naturalmente que ninguém pode dizer que foram os israelitas que provocaram isto. No ano 3.000 A.C. Israel estava a quase 5.000 anos de existir. Pelo que é errado tentar fazer dos israelitas os “maus da fita”, num conflito que é muito mais do que aquilo que as TVs nos mostram.

Tal como fiz, e continuo a fazer, com os meus amigos, vou lançar aqui alguns factos e opiniões para que o leitor pense neles e reveja, mude ou até confirme sua opinião. É como que gasolina para a mente. A ver se o motor do intelecto começa a trabalhar.

a) A Terra Santa é-o para muitas religiões, e Jerusalém é a Cidade Santa dos Cristãos dos Judeus e dos Muçulmanos. Nela se encontram o Muro das Lamentações, um dos locais mais sagrados para os Judeus. A Basílica do Santo Sepulcro (onde se diz que Jesus Cristo foi crucificado, sepultado e onde ressuscitou), um dos locais mais sagrados para os Cristãos. Ou a Mesquita de Al-Aqsa, um dos locais mais sagrados para os Muçulmanos.

b) O Sionismo (movimento que defende o direito à autodeterminação dos Judeus, e à existência de um Estado judaico em Israel iniciou-se nos finais do século XIX. Os Judeus começaram a ir para a Palestina à procura de uma vida melhor na Terra Santa. Nos anos 1930 já eram cerca de 300.000. Nessa altura Muçulmanos da Palestina, liderados pelo Grand Mufti, Haj Amin al-Husseini, começaram uma série de ataques violentos aos Judeus.

c) Muitos portugueses, desde há muitas décadas, emigram para terras que não são suas, e lá se estabelecem, na procura de uma vida melhor. Contam-se aos milhões aqueles que são portugueses ou de origem portuguesa a viver fora de Portugal. Os casos mais flagrantes e conhecidos são os de França, onde há cerca de 1 milhão (300.000 só em Paris), Venezuela, Luxemburgo ou Canadá. Não creio que alguma vez tivessem sido hostilizados de morte.

d) Em meados dos anos 1930 os Muçulmanos da Palestina liderados pelo Grand Mufti, Haj Amin al-Husseini, aliaram-se a Adolf Hitler e a Benito Mussolini, partilhando o mesmo objectivo de exterminar uma comunidade cuja raça não lhes agradava, os Judeus. O que aconteceu nessa altura aos Judeus de toda a Europa (e do Mundo) é conhecido. O Holocausto matou 11 milhões de pessoas, entre os quais 6 milhões de Judeus.

e) Israel – constituído como Estado independente em 1948, depois de uma resolução da ONU votada favoravelmente por 72% dos países – viu-se envolvido em varias guerras. Na sua maioria, Israel foi atacado por Norte, Este e Sul (a Oeste está o Mar Mediterrâneo), estando em enorme inferioridade numérica em termos de tropas, em relação aos países que o atacavam: Egipto, Iraque, Syria, Líbano, Jordânia, Palestina, entre outros.

f) As tropas palestinianas armazenam as suas armas debaixo de escolas e hospitais, e quando atacam fazem-no a partir de zonas residênciais. Motivo? Usar civis palestinianos como escudos humanos. As mesmas tropas quebram as regras do cessar fogo ou acordos de tréguas, atacando território israelita, enquanto há médicos, militares e outros, a tentar ajudar os civis, vítimas dos “danos colaterais”.

g) Todas as semanas as autoridades de Israel enviam para Gaza vários camiões TIR com comida e medicamentos – mesmo em períodos em que não há guerra. Uma grande parte destes carregamentos é desviado ou embuscado pelas tropas do Hamas. O objectivo, dizem, é não deixar que se abra um sentimento positivo nos palestinianos para com Israel e os israelitas.

h) Em Israel, a população total é de cerca de 8 milhões. Dos quais 6 milhões são Judeus e 2 milhões são Muçulmanos. Na primeira pessoa, pude ver que esses Muçulmanos vivem, trabalham e gostam de Israel. A maioria tem, como acaba por ser natural, amigos Judeus com quem se dá bem, e não compreende o porquê do conflito, mas principalmente das atitudes de grupos como o Hamas.

i) Acho que vale a pena ver este vídeo de uma jovem palestiniana, que por acaso não é Muçulmana nem Judia, é Cristã. E está a ser ameaçada de morte por partilhar a sua experiência com o mundo.

Finalizo com uma declaração de interesses: Acho que Israel é tão culpada deste conflito como os grupos terroristas palestinianos, tendo em conta todas as dimensões do conflito. Estou convencido que existe gente imbecil e sádica dos dois lados, bem como gente boa. Visitei Israel por duas vezes em 2014, e estou longe de ter morrido de amores pelo país. Em 10 dias de estadia em Israel tive mais más experiências do que boas, apesar de estas terem valido a pena. Nunca tive – talvez por preconceito – boa imagem dos Judeus, e depois da visita a Israel isso não mudou.

Uma resposta a Conflito Israelo-Palestiniano. Gasolina para a mente

  1. Hugo diz:

    O mal do sr google e mesmo este!
    especialistas instantaneos em tudo!

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: