Suspendo a minha condição de adepto

25/02/2016

O que se passou hoje no Estádio do Dragão é uma gigantesca vergonha. É não só uma machadada enorme no prestígio de um clube que foi grande, mas é também uma enorme falta de respeito pelos adeptos do FC Porto.

Aquele a quem colocaram o título de “treinador” entrou em campo com uma equipa cheia de segundas linhas, quando precisava de virar uma eliminatória. E depois de se ver em maior desvantagem ainda, rodou jogadores.

A precisar de marcar 2, 3 ou 4 golos, o FC Porto não conseguiu criar mais do que 2 oportunidades claras de golo. Não conseguiu construír uma única jogada com início, meio e fim. E tremeu sempre que o Borússia se aproximou.

Exceptuando os humildes trabalhadores Danilo, Aboubakar e Suk, não houve um único jogador “à Porto”. Nem sequer o capitão Neves, Maxi ou Casillas (este meteu dó, pela linguagem corporal).

Tudo isto se passou nas barbas de uma massa adepta que foi um dia tão exigente que até intimidava jogadores e treinadores. De um presidente que foi um dia tão difícil de contentar que até descia ao balneário nos intervalos.

Sinto-me absolutamente indignado. Esta equipa de futebol não tem categoria para estar em nenhuma liga da Europa. É gritante a mentalidade tacanha e a pequenês do espírito que reina neste grupo de “profissionais”.

Isto, num clube que nos últimos 40 anos se destacou pela glória alcançada através do espírito campeão. E que teve na capacidade de luta, de superação, de engenho e de crer as bases das suas imensas conquistas.

Nenhuma equipa que tenha o mínimo de auto-estima, de dignidade, de respeito por si própria, entra em campo para fazer o que o FC Porto fez hoje. Esta equipa é pequena. Muito pequena. E continuará a ser pequena, até que muita coisa mude.

Grandes são os que, como o Manchester United de 1999, a perder 1-0 aos 90 minutos lutam até ao último segundo para conquistar uma Champions League com golos aos minutos 90+1 e 90+3.

Os que desistem no início, a meio ou mesmo antes de entrar em campo são hoje e serão sempre os vencidos, os derrotados, os pequenos. Nunca serão grandes, por mais adeptos que tenham.

Hoje, depois desta vergonha, suspendo a minha condição de adepto da equipa de futebol sénior do FC Porto. Suspendo até José Peseiro sair. Até Marcanos, Angels, e Evandros desaparecerem. Até esta equipa conseguir recuperar alguma dignidade.

Anúncios

%d bloggers like this: