Velhos hábitos, na cruzada contra Rui Rio

Continuo a comprar e a ler o NOVO Semanário, porque gosto do trabalho e do empreendimento dos meus amigos Miguel Corte-Real e Diogo Agostinho, mas (mais uma vez) sinto-me obrigado a dar uma opinião, e partilhar uma crítica (que pretendo seja construtiva).

Na edição desta semana, na entrevista a Miguel Morgado, custou-me muito ver certas perguntas, feitas claramente, e propositadamente, para sacar a “parangona” que vende jornais.

O PSD é um partido em transe?
A eternizacao de Rui Rio na lideranca prejudica o PSD?
O PSD de Rui Rio reduziu-se a insignificância?

Isto não são perguntas “abertas” que tentam posicionar um tema para ouvir a opinião do entrevistado. Isto são perguntas “fechadas” que têm como propósito empurrar o entrevistado para uma certa resposta.

Os jornalistas profissionais sabem bem a diferença entre uma pergunta “aberta” e uma pergunta “fechada”. E sabem bem como dirigir uma entrevista para um certo resultado.

Foi conseguido. O Miguel Morgado caiu na “esparrela” ou (creio que é alguém astuto e inteligente) foi “cúmplice” do jornalista, e a parangona desejada saiu na primeira página: “O legado político de Rio é ruinoso“.

Tenho a certeza que vendeu muitos jornais e caiu bem na #CúpulaDeLesboa. Tenho dúvidas que seja justo, que tenha reflexo na realidade, ou que caia bem entre uma grande parte dos militantes e eleitores do PSD (que por 3 vezes elegeram Rio como líder).

A verdade é que, durante os seus mandatos á frente do PSD, Rui Rio teve que enfrentar tempos e circunstâncias muito difíceis. Nomeadamente a pandemia provocada pelo vírus Covid-19, durante a qual houve eleições Autárquicas, Legislativas, e Presidenciais (Rio foi considerado vencedor em 2 delas).

Neste período, Rui Rio teve uma postura de responsabilidade irrepreensível, e um enorme sentido de Estado. O que esta semana o levou a ganhar o prémio Lorca, Guerra da Cal, Blanco Amor, que visa reconhecer pessoas ou entidades que promovem o diálogo, a concórdia e a fraternidade.

Na edição deste ano, o galardão vai para Rui Rio que, como líder da oposição em Portugal, teve “uma atitude muito responsável durante a pandemia de covid-19” ao defender “o interesse de Portugal acima de qualquer interesse particular ou partidário”.

Curiosamente, são estes os valores que muitos (incluindo o Miguel Morgado) gostam tanto de enaltecer a Passos Coelho – que durante o período de governação sob a tutela da Troika, colocou o país á frente da sua reeleição – mas que não conseguem reconhecer em Rui Rio.

Sou um apoiante de Rui Rio desde o dia em que chegou a líder do PSD. Não estive, nem estou, sempre de acordo com ele. Penso, aliás, que a sua acção desde a derrota nas Legislativas 2022 (incluindo a noite das mesmas) é contraproducente.

Mas creio que esta cruzada da comunicação “dita” social contra ele é demais, e não estava á espera que o jornal NOVO Semanário, fizesse uso de velhos hábitos, e se juntasse a essa cruzada.

Tenho a certeza que o Miguel e o Diogo vão conseguir corrigir isto. Para bem do seu projecto de jornalismo e informação independente.

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: