Falta vergonha e vida para além da política

09/06/2019

cmst_presidente_arguido

Dados os recentes acontecimentos, que envolveram o Presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Joaquim Couto, em vários escândalos de corrupção, esperava-se que os políticos desta praça corrigissem os seus comportamentos.

Numa terra digna, e de gente decente, seria natural que a gravidade das acusações e a proximidade aos principais envolvidos, atemorizasse um pouco aqueles que (pelo menos para já) foram poupados ao embaraço de se verem comprometidos.

Infelizmente Santo Tirso (tal como muitos outras terras desta República dos Bananas) não está nessa categoria. E a liderar as suas instituições tem gente a quem falta muita coisa. Acima de tudo, falta vergonha e uma vida para além da política.

Só isso pode explicar que, depois de Joaquim Couto se ter demitido de Presidente, por ser arguido, Alberto Costa (o seu vice) tenha aceite substituí-lo, sendo ele também arguido num processo em que é suspeito de crime em exercício de funções.

Não contente com esse facto, que demonstra uma enorme falta de vergonha, e que está agarrado ao poder (tanto ele como o resto do executivo), Alberto Costa usou a página de internet da Câmara Municipal para propaganda e promoção pessoal.

A notícia publicada na página e partilhada no perfil institucional da Câmara Municipal nas redes sociais, diz: Presidentes de Junta ao lado de Alberto Costa. Numa tentativa de branqueamento do acto infame de tomada de posse do Presidente-Arguido.

Mas há mais. Na lista dos tais Presidentes de Junta estão dois eleitos pela coligação PSD/CDS. Isto, depois de os líderes locais de ambos os partidos (Zé Pedro Miranda e Ricardo Rossi) terem publicamente condenado a atitude de Alberto Costa.

Se eu tivesse uma palavra a dizer na maneira como se conduz o PSD Santo Tirso, retirava imediatamente a confiança política a Paulo Bento (Agrela) e Andreia Correia (Monte Córdova), que também não têm vergonha ou dignidade, e que “se vendem por um prato de lentilhas”.

Anúncios

O Presidente-Arguido

08/06/2019

Após tomar posse como Presidente da CM Santo Tirso, Alberto Costa disse: “Quero, e quer o executivo municipal, honrar o compromisso de mudar Santo Tirso e honrar o voto de confiança que nos foi dado pela população, a única que, em Democracia, tem a capacidade de nos julgar”.

Lamento anunciar a Alberto Costa que, em Democracia, a capacidade de julgar não cabe só ao povo. Também a justiça, os tribunais, e os juízes têm essa capacidade. E eu espero que façam uso dela, rapidamente, no processo judicial em que Alberto Costa é arguido – e onde é acusado de crimes no exercício de funções.

Esclarecimentos e clarificações (já que os acusados não as dão) são precisas, para defender a honra do concelho de Santo Tirso e dos Tirsenses, enlameada pelos recentes escândalos de corrupção à volta de Alberto Costa e Joaquim Couto.

Ainda na reunião extraordinária de Câmara desta semana, escreveu a Santo Tirso TV que Alberto Costa disse que estava “confiante e determinado em contribuir para o desenvolvimento económico e social do Município e para a melhoria da qualidade da população”.

Não sei se é uma gralha da notícia, ou se ao actual Presidente-arguido fugiu a boca para a verdade quando disse “melhoria da qualidade da população”. Na verdade, uma população que continua a compactuar, eleger ou perdoar políticos com tão baixos níveis de ética, dignidade e integridade, é uma população que precisa de ser melhorada.


Sto Tirso: Exijo eleições intercalares

02/06/2019

sto_tirso

Independentemente de qualquer desfecho nas investigações judiciais a decorrer, há neste momento uma enormíssima crise política em Santo Tirso.

Tanto o Presidente (Joaquim Couto) como o Vice-Presidente (Alberto Costa) da Câmara Municipal, estão envolvidos num escândalo de corrupção.

Joaquim Couto renunciou aos cargos, públicos e privados, depois de ter sido constituído arguido na sequência da operação “Teia”, e de estar perto de ser preso preventivamente.

Diz-se que Alberto Costa assumirá a Presidência, mas convém que a memória não seja curta. Já que também ele foi constituído arguido na operação “Dennis”.

Não creio que haja volta a dar a esta situação. A única saída honesta, decente e limpa desta crise é a convocação de eleições autárquicas antecipadas.

Além de Couto e de Costa, o PS tem mais 4 vereadores eleitos, no executivo da Câmara Municipal. Mas nem eles, nem o PS, tem condições políticas para assumir os cargos.

Para além do mais, sabemos bem que em eleições autárquicas, mais até do que em nacionais, os eleitores votam na pessoa que liderará os destinos.

Os eleitores Tirsenses não votaram nem em Ana Maria, nem em Zé Pedro Machado, muito menos em Tiago Araújo, ou em Sílvia Tavares para assumirem tais cargos.

Como Tirsense, exijo que o executivo camarário se demita, e que a Assembleia Municipal vote para que se antecipe o acto eleitoral, e se marquem eleições autárquicas intercalares.


Volte-face no PSD Santo Tirso

26/11/2017

Volte-face no PSD Santo Tirso. José Gonçalo Silva, que aceitou ser Pau de Cabeleira de Andreia Neto e da sua pandilha, desistiu da candidatura a Presidente da Comissão Política Concelhia do PSD Santo Tirso. Desenganem-se aqueles que acham que finalmente Andreia Neto e os seus seguidores cairam em si e se enxergaram da derrota histórica que tiveram nas Autárquicas 2017, envergonhando mais uma vez o PSD.

Andreia Neto disse no Facebook: “O resultado não foi o que desejámos mas não só melhoramos o score eleitoral como nos orgulhamos da campanha mobilizadora que fizemos“.  José Gonçalo Silva afinou pelo mesmo diapasão: “pretendi liderar um projeto político assente (…) na continuidade de um trabalho que considero muito positivo”.

É difícil perceber de que resultados falam estes dois derrotados nas Autárquicas 2017. O score era de 5-4 (número de vereadores a favor do PS), e ficou em 6-3. A diferença de votos era de 5.000 (a favor do PS) e passou para 7.500. Para além disso, a campanha foi a mais suja e vergonhosa da história do concelho, muito por culpa dos reiterados ataques pessoais de Andreia a Joaquim Couto.

Andreia Neto disse mais: “hoje deve ser o momento de unir o PSD em Santo Tirso“. José Gonçalo Silva repetiu: “o momento é de união pelo nosso PSD”. Para além de não perceberam que isto é a demonstração de que falharam as promessas de união quando assumiram os respectivos papéis, desconhecem uma das maiores características do verdadeiro PSD, o pluralismo!

Andreia Neto diz “empenhei-me em que houvesse apenas uma lista candidata à comissão política (…) resolvi procurar que as ideias convergissem e o projeto fosse comum”. Na mesma linha, José Gonçalo Silva acha que “deve imperar a responsabilidade de perceber de que o momento é de união (…) e foi por isso que decidi não avançar com a candidatura”.

Esta ideia de que união só se consegue com listas únicas é, como todos sabemos, típica de comunistas e fascistas. Para além do mais, bastaria a Andreia Neto e a sua pandilha pensar no que aconteceu, e eles mesmos conseguiram, na última década em Santo Tirso. Sempre com listas únicas, o PSD Santo Tirso nunca esteve mais dividido.

Entretanto Zé Pedro Miranda também já anunciou e apresentou, via Facebook, a sua candidatura à Comissão Política Concelhia do PSD Santo Tirso. Fê-lo indepentendemente de outros, o que por si só demonstra valores, princípios e convicções. Diz que o faz por “imperativo de consciência (…) para por em prática as ideias (…) de um partido mais forte, inclusivo, afirmativo, credível e de confiança”.


O Pau de Cabeleira de Andreia Neto

17/11/2017

psd_santo_tirso_eleicoes_2017

Foi no plenário (ou Assembleia de Secção) realizado no dia 27 de Outubro que mais uma farsa aconteceu no PSD Santo Tirso. O tema era “Análise da situação política” e após a maior derrota Autárquica de sempre, Andreia Neto pôs o lugar à disposição.

Ao que sei, discutiu-se brevemente a data de novas eleições. Falou-se em Janeiro 2018. O que a meu ver faria todo o sentido. Afinal de contas as eleições directas para eleger o líder nacional serão no dia 13 de Janeiro e seria normal marcar para o mesmo dia.

A verdade é que o Povo Livre de dia 1 de Novembro (5 dias depois do plenário) já trazia o anúncio de que as eleições locais estariam marcadas para dia 2 de Dezembro – pouco mais de 30 dias depois de Andreia ter anunciado que punha o lugar à disposição.

Ou seja, Andreia e a sua “pandilha”, tal como previsto, já tinham tudo planeado e enviado nota ao Povo Livre, de forma a encurtarem margem de manobra a qualquer candidatura que porventura pudesse vir a surgir.

E tal como esperado irão avançar com uma candidatura, ao que sei, liderada por Gonçalo Silva (candidato derrotado nas Autárquicas à União das freguesias de Areias, Sequeiró, Lama e Palmeira), que será apenas um “pau de cabeleira”.

Gonçalo Silva candidata-se para que em 2019 Andreia Neto não esteja impedida de assumir a liderança por limitação de mandatos, e possa assim ser líder aquando das Autárquicas 2021 – contornando os Estatutos do partido.

Tudo isto demonstra bem o que venho dizendo. Que quem “tomou de assalto” e controla o PSD Santo Tirso, tem pouco carácter. Valha-nos (aos militantes do PSD Santo Tirso) que há outra candidatura: a de Zé Pedro Miranda (em breve escreverei sobre isso).


Depois da derrota, mais do mesmo

30/10/2017

Por motivos óbvios não pude estar presente no último plenário do PSD Santo Tirso mas sei que, como sempre, foi divertido e com “mais do mesmo”. A única novidade foi mesmo um (esboço de) choro da presidente do partido. Encenação que apenas engana os incautos.

Como se esperava não há qualquer assunção de responsibilidade. Pelo contrário. Culparam outros, ou situações sobre as quais não tinham controlo. Ou seja, tal como previ há semanas atrás, repetiram o que Alírio Canceles tinha feito em 2013.

Pior. Depois da campanha eleitoral vergonhosa (que em certas alturas foi mesmo infame e torpe) continuaram a insistir que foi uma excelente campanha, pela positiva. O pior cego é aquele que não quer ver, e esta gente tem antrolhos que não deixam ver nem um palmo.

Houve também quem apontasse o dedo de culpa “áqueles” que os andaram a criticar no Facebook. Por um lado esquecem-se “daqueles” a quem pagaram para atacar Joaquim Couto, ou “daqueles” perfis falsos que criaram para desferir ataques pessoais ignóbeis a coberto do anonimato.

No seguimento, o presidente da JSD de Santo Tirso, que politicamente ainda “anda de fraldas”, resolveu dizer que “esses” que não concordavam deveriam ser expulsos do partido. Talvez devesse deslocar-se ao 2º Piso do Centro Comercial Carneiro Pacheco para se inscrever no PCP.

Andreia Neto, em vez de se demitir e se “esconder” em Lisboa depois da estrondosa derrota, pôs “o lugar à disposição”. Típico dos políticos fracos que querem dar uma falsa ideia de desprendimento. A ver vamos quem é que aparece como candidato desta “pandilha”.

Porque uma coisa é certa. Esta “pandilha” não vai ter a hombridade de reconhecer que errou, de assumir responsabilidades, e de se afastar para que outros possam fazer melhor. Não. Eles põem o “lugar à disposição” e depois candidatam-se outra vez. Com a mesma, ou outra cara, à frente.

A única dúvida é a de quem será essa tal cara. Dependendo de certas circunstâncias (ex. limitação de mandatos) e estratégias pessoais (ex. lugares de vereador ou deputado), poderá ser a mesma (ou seja, Andreia Neto) ou uma nova (como por ex. Altino Osório).

O que me surpreende cada vez menos é que tudo isto se passe com a conivência de figuras relevantes do partido no concelho, como José Pedro Miranda e Carlos Valente, que no passado nunca se associaram, e sempre se insurgiram, contra este tipo de prática.

Esses, pelo visto, no plenário, proferiram discursos redondos. Evitando ferir as susceptibilidades de quem está no poder (e provavelmente ficará, enquanto os caciques funcionarem) ou hipotecar qualquer cenário futuro (onde se possam perfilar, caso os actuais detentores do poder caiam).

Este PSD podre e pervertido irá continuar na mesma a não ser que os seus militantes (principalmente os que andam inactivos há quase 10 anos) e simpatizantes Tirsenses, de uma vez por todas, se levantem e construam uma alternativa que possa vencer o cacique.

Alternativa essa que não poderá nunca ser erguida apenas por uma só pessoa. Terá de ser erguida por um conjunto de vontades, vindas de dentro e de fora do partido. Talvez aproveitando a dinâmica que as eleições directas para os orgãos nacionais vão provocar nos próximos meses.


Não somos todos iguais

08/10/2017

No dia anterior às eleições, um amigo perguntou-me se era verdade o que se dizia em surdina. Que Joaquim Couto me teriam pago 5.000€ para escrever os artigos que publiquei no Era Mais um Fino nos últimos meses, criticando Andreia Neto e a sua candidatura. E que iria pagar mais 15.000€ se o PS vencesse as eleições. Respondi-lhe que me sentia insultado!

Então diz-se que a candidatura que espalhou esse boato pagou 40.000€ a uma outra pessoa, para que esta escrevesse a favor da Andreia Neto e contra o Joaquim Couto, e a minha escrita valeria menos? Claro que o meu caché seria mais elevado! Aliás, porque o meu blogue tem, muito provavelmente, mais leitores que a outra publicação.

No dia seguinte às eleições, um outro amigo perguntou-me se era verdade o que se dizia em surdina. Que a razão pela qual eu critiquei Andreia Neto e a sua candidatura, era porque queria ser eu próprio, o candidato do PSD à Câmara em 2021. Respondi-lhe que agora já não precisava. O caché pago pelo Joaquim Couto permite-me pagar a campanha como candidato independente.

Vá, chega de parvoíces e vamos ser sérios. Em política, adoptar prácticas e estratégias de campanha ignóbeis é uma opção, e não um requisito. Se uma candidatura quer comprar jornais, instituições e pessoas, está à vontade para o fazer. Desde que essas se deixem comprar. Com dinheiro, com géneros ou com promessas. Mas felizmente que não somos todos iguais.

Nem sequer falo de Joaquim Couto, de quem não sou nem nunca fui advogado de defesa. Falo de mim. Não compro, nem me deixo comprar. Em primeiro lugar porque os meus valores e princípios não têm preço; em segundo lugar porque as minhas ideias e convicções não estão à venda; em terceiro lugar porque graças ao meu trabalho e esforço profissional, não preciso de esmola.

Mais vezes do que deviam, aquelas prácticas e estratégias de campanha ignóbeis (em que literalmente se compram votos) venceram. Uns ofereciam frigoríficos, outros empregos, e houve quem preferisse oferecer ambulâncias. Uns compravam jornais, outros blogues, e houve quem preferisse comprar perfis de Facebook. Mas desta vez, felizmente, esses perderam.

O problema é que em política, nunca se perde de vez, ou para sempre. Esses, os mesmos, irão voltar. E irão tentar voltar mais cedo do que se pensa. Por isso, e se queremos mantê-los afastados do poder e do dinheiro dos nossos impostos, temos de estar vigilantes e activos. E trabalharmos em equipa, para os podermos vencer novamente, e criar uma verdadeira alternativa política.


%d bloggers like this: