FC Porto: o pior cego é aquele que não quer ver

02/11/2011

A um adepto exigiente e habituado a ver o FC Porto a jogar bom futebol (já nem digo a vencer, apenas a jogar bem) mete dó ver a actual equipa a jogar. É mau demais para ser verdade.

O actual FC Porto não tem uma ideia de jogo (o chamado fio de jogo), não tem uma estratégia bem definida. Não joga em posse ou em contra-ataque. Não pressiona. Joga como calhar.

O que se vê em campo não é uma equipa de futebol de topo, mas um grupo de grandes jogadores a jogar ao calhas. Mais ou menos como o comum adepto a jogar ao domingo com os amigos.

Quem percebe de futebol verá facilmente que a culpa é do treinador. Quem percebe de bola dirá que a culpa é dos jogadores. Nomeadamente Hulk, que é o alvo mais fácil (tal como CR7).

Se a culpa fosse dos jogadores, como justificar que na época passada eram exactamente os mesmos, estavam em forma, e jogavam de forma sublime? Talvez a diferença esteja no treinador.

Para os adeptos minimamente atentos e esclarecidos basta fazer o seguinte exercício: Contar o número de vezes que a bola passa nos pés de Moutinho, antes e depois de Vitor Pereira.

Mas não se trata apenas de uma aspecto técnico-táctico. Trata-se também de liderança e carisma. Treinadores com estas características levam os jogadores onde quiserem (Mourinho, Villas-Boas).

Dizem que Vítor Pereira mostrou coragem ao substituir Hulk num jogo há dias, ou ao deixar Moutinho e James no banco. Não é coragem, é estupidez. Dentro do mau, são os melhores da equipa, de longe.

Outro erro crasso de um líder é o não reconhecimento do próprio erro. Querem pior exemplo para os jogadores? Além do mais não reconhecer a falha é a certeza de que não se melhorará.

No final de um jogo em que teve ZERO oportunidades de golo e ZERO remates perigosos, Vítor Pereira disse que perdeu “de forma inexplicável” e que teve “inúmeras oportunidades“.

O pior cego é aquele que não quer ver. O jogo do FC Porto, implementado por Vítor Pereira, descreve-se assim: Lento, denunciado, desorganizado, apático, triste, forçado, sem criatividade.


O incompetente e o encomendado

20/10/2011

O Apoel Nicosia não veio ao Dragão com o “autocarro” conforme alguns podem pensar. Simplesmente defendeu sólidamente cumprindo todas as marcações e posicionamentos. Saiu várias vezes para o ataque com trocas de bolas e não com lançamentos longos.

Quem assistia à partida via ao intervalo que a equipa do FC Porto precisava de velocidade e criatividade para abrir espaços e criar situações de golo. Tudo era feito com lentidão. Pedia-se a entrada de Belluschi e saida de Guarin.

Vitor Pereira teve opinião diferente, e depois de ter oferecido 45 minutos ao adversário, ofereceu mais 25. Se a troca de James por Varela é aceitável e deu resultado, já o facto de ter deixado Guarin em campo é incompreensível.

O colombiano era uma sombra do que tem sido. Procurava muito o jogo e decidia invariavelmente mal. A equipa técnica tem estatísticos. Não soube ver que a percentagem de passes correctos de Guarin era a mais baixa do meio-campo?

O FC Porto tinha duas opções, ou acelerava a circulação e pressionava alto, ou dava a iniciativa de jogo ao Apoel e fazia o que é melhor a fazer: deixar espaço para lançar Hulk e James em velocidade. Não fez uma coisa nem outra.

Não tenho dúvidas. A culpa das más exibições é de Vitor Pereira. Como já tive oportunidade de escrever, ele pode ser bom na táctica e em treino, mas não chega. O FC Porto tem de ter um treinador bom também na liderança e em jogo.

Quem duvidar da culpa de Vitor Pereira, explique-me como é que a equipa é a mesma e a qualidade de jogo é infinitamente inferior. E não me venham com o Falcão. Já saíram Jardel, McCarthy, Lisandro… e não se passou isto.

De resto, não vale a pena deitar as culpas no árbitro pela má exibição, mas há que constatar um facto: teve uma prestação vergonhosa, tendenciosa e incompetente. A meu ver, encomendada por Michel Platini.

Se o Marselha vencesse e o FC Porto perdesse, a França ultrapassava Portugal no ranking da UEFA. E isso é importante porque permite ao país ter mais equipas nas competições europeias nas próximas épocas.

Platini tem-se revelado ao longo dos últimos anos um anti-Porto. Pelas atitudes e pelos comentários despropositados que faz. Também com outros casos (como o recente do Sion) confirma que é sectário e corrupto. Duvidam que mexeu cordelinhos?


FCP e VP: Benefício da dúvida.. dar ou não dar, eis a questão

29/09/2011

Felizmente não tive a possibilidade de ver o jogo de ontem entre FC Porto e Zenit St. Petersburgo. E digo “felizmente” porque temo que tenha sido um desastre. Pior do que aquele que pude testemunhar através do relato (que desliguei a 15 min do fim porque não suportava ouvir tal massacre).

Não sou daqueles que ao primeiro obstáculo põe tudo em causa. Isso foi o que aconteceu no SL Benfica e no Sporting CP nos últimos anos, e o resultado está à vista. Enquanto se auto-mutilavam o FC Porto ia vencendo por manter uma estrutura sólida, estável e sem ruído.

Em Novembro de 2008 o FC Porto perde 3 jogos seguidos. Jesualdo é o treinador e eu escrevo no meu blogue “Um clube como o FC Porto não pode perder 3 jogos seguidos. Sejam eles contra o Man Utd, Real Madrid e Milan ou contra o Din.Kiev, Leixões e Naval. As melhores equipas da Europa não têm resultados destes

No entanto não pedi a demissão do treinador. Mas sabia que algo tinha de ser alterado. Analisei as coisas com frieza e pedi a demissão de José Gomes. Na minha opinião, era o treinador-adjunto que estava a desviar Jesualdo da linha de rumo traçada nos anos anteriores.

Em Março de 2010 o FC Porto volta a ter 3 horríveis jogos seguidos. Em dois dos quais foi goleado pelo Sporting CP e pelo Arsenal FC. Nessa altura parecia-me que já não havia volta a dar-lhe, Jesualdo tinha de ser demitido. O mesmo pensou o Presidente do clube que contratava Villas-Boas no final da época.

A situação de hoje é semelhante. O FC Porto faz 3 péssimos jogos seguidos. A atitude dos jogadores não é aquela atitude portista habitual, e o desempenho do treinador também é, no mínimo, discutível. O que fazer? Dar o benefício da dúvida a Vítor Pereira?

A benesse dada a Jesualdo resultou num campeonato oferecido ao SL Benfica em 2010. Não gostava que isso acontecesse este ano. Quer-me parecer que Vítor Pereira é tecnicamente capaz, nos métodos de treino, mas fraco na análise ao jogo e na liderança. Ou seja, bom adjunto e mau principal.

O facto de os atletas se perderem em campo (posicionalmente, tacticamente) e de perderem a cabeça (expulsões escusadas), quando o jogo está mal encaminhado, parece ser consequência da falta pulso do treinador para segurar a equipa.

Quanto aos alinhamentos (de 11 inicial) e substituições que tem feito, a única coisa que se pode dizer é que adeptos e entendidos do futebol questionam hoje, como não o faziam há já algum tempo, essas opções. E isso é sinal de alguma coisa.


FC Porto vs FC Barcelona: tiki-taka?

27/08/2011

Quem esperava um FC Barcelona demolidor e um FC Porto a tentar não ser goleado enganou-se redondamente. Guardiola conhece o valor do FC Porto e por isso teve cautelas. Vitor Pereira não é Jesualdo e jogou para vencer.

Não me recordo de alguma equipa no mundo ter conseguido anular o tiki-taka. O FC Porto fê-lo nos primeiros 45 minutos. A pressão alta impediu o FC Barcelona de sair a jogar da defesa, obrigou-o a errar e a fazer lançamentos longos.

Nos primeiros 10 minutos os catalães não conseguiram chegar à área portista. O FC Porto carregava e criava perigo com remates perigosos de Hulk e Moutinho. Foram 40 minutos dominados pela equipa portuguesa, desperdiçados com um erro infantil de Guarin.

Na 2ª parte o FC Porto voltou a entrar muito forte com Moutinho e Guarin a criar novamente dificuldades a Valdes. Aos 10 minutos Helton apareceu pela primeira vez no ecrã de TV. A defesa esteve impecável perante o ataque mais rápido do mundo.

Mas a pressão alta fez a sua mossa. O FC Porto baixou de rendimento com o desgaste físico e apareceu o tiki-taka. A partir daqui o jogo foi todo do FC Barcelona, que em lances rápidos criava dificuldades. Rolando foi bem expulso numa falta necessária.

O jogo como que terminou nesse momento (faltavam 5 minutos). Mas ainda houve tempo para mais uma infantilidade desnecessária de Guarin (bem expulso) e para uma obra de arte de Messi e Fabregas, fazendo o 2-0 pesado para o FC Porto.

Fica mais uma prova de que o FC Porto está ao nível dos melhores clubes do mundo. A continuar assim tem todas as condições para revalidar o título e fazer boa figura na Liga dos Campeões, onde tem um grupo difícil dadas as viagens longas.


A saída de Falcao, para o adepto faccioso

19/08/2011

Radamel Falcao é mais um grande jogador que cresceu no futebol português e agora o deixa rumando a uma liga mais competitiva, a Espanhola, deixando no FC Porto a milionária quantia de 40 M€.

Este valor bate novamente o recorde das transferências no futebol português – que estava na posse de Anderson (FC Porto > Man Utd por 31,5 M€) – e continua a provar que há valor na nossa Liga.

Como não poderia deixar de ser a saída não foi pacífica, pelo menos do lado dos adeptos. Independentemente das alegrias que este tipo de jogador tenha dado, os facciosos nunca ficam contentes.

Mesmo da parte de pessoas que tenho como sensatas, vejo comentários infelizes à saída do Colombiano. O mesmo aconteceu ainda este ano com Fábio Coentrão, na saída do SL Benfica para Madrid.

O adepto faccioso diz que cospem no prato em que comeram, mas não fazem eles o mesmo? Foi também Falcao que ajudou a conquistar os maiores sucessos do FC Porto. Mordem a mão que lhes deu de comer.

Além do mais, que outro jogador faria o que Falcao fez: renovar contrato um mês antes de sair? A prova de que não se importaria de ficar. Coentrão faria o mesmo? Era o assinavas…

Se apresentados estes argumentos, o adepto faccioso riposta com o facto de ser uma mudança de “cavalo para burro”. Ora, eu não acho que seja desprestigiante jogar no Atlético de Madrid.

Forlan, Aguero, Futre, Torres, entre outros, jogaram lá. O Atlético venceu a Taça Uefa em 2009/2010 e a Supertaça Europeia em 2010. Tem 9 campeonatos e 9 taças de Espanha.

Se o FC Porto é melhor equipa? Para mim é obviamente! Mas o Altético tem condições para pagar melhor (ouve-se falar que Falcao dobra o salário) e é um dos mais prestigiados clubes da Europa.

Podem argumentar que os 6 a 10 jogos da Liga dos Campeões (que o FC Porto jogará e o Atl. Madrid não) são maior montra do que os 38 jogos da Liga Espanhola + os 6 a 10 jogos da Liga Europa.

Mas o facto é que dobrar o ordenado – e estaremos a falar de cerca de 250 m€ a mais por mês – não é coisa que se possa dispensar ou que possa cobrir a tal diferença de montras.


O truque para fazer melhor do que Villas-Boas

08/08/2011

Depois de uma época insigne em 2010/2011 com a conquista de Supertaça de Portugal, Campeonato, Taça de Portugal e Liga Europa, o FC Porto abre 2011/2012 com nova vitória na Supertaça de Portugal.

Esta é a 18ª vitória do FC Porto na competição que vai na 33ª edição. Ou seja, o FC Porto tem mais títulos do que todos os outros clubes juntos (Sporting, 7. Benfica, 4. Boavista, 3. Vitória, 1).

Confesso que há semanas atrás não achava justo pedir ao FC Porto uma cópia da época anterior. Mas a jogar desta forma tudo é possível. A meu ver, a equipa está efectivamente melhor.

Se com André Villas-Boas o FC Porto jogava um futebol atraente e ofensivo, com Vítor Pereira parece fazer o mesmo mas com uma pressão alta sufocante. E os jogadores parecem gostar.

A única dúvida ou o único problema prende-se com os níveis físicos. Para aguentar esta forma de jogar ao longo de toda a época, o trabalho de preparação física terá de ser irrepreensível.


FCP vs PSD… novamente agridoce

21/06/2011

Esta é já a segunda vez esta semana que tenho um sentimento agridoce. Mas se da última vez envolvia apenas o Governo PSD, desta vez envolve o Governo PSD e o FC Porto.

Passos Coelho e André Villas-Boas estavam, para mim, no patamar mais alto da consideração, do respeito e da confiança. Hoje, enquanto um assinava o outro rescindia.

Só tenho, ainda assim, de desejar aos dois a melhor sorte do mundo. Espero sinceramente que ambos tenham sucesso e consigam cumprir os objectivos a que se propõem.

É duplamente importante para Portugal, que PPC e AVB consigam vencer as dificuldades que se lhes apresentarão pela frente. Obviamente, nas devidas proporções.


FC Porto: as vitórias da Organização e Competência

08/06/2011

Em Setembro 2009 escrevi, sobre os clubes desportivos: “Os maiores não são os que têm o maior estádio de futebol nem os que têm o maior número de sócios. Os maiores nem sequer são os que têm maiores orçamentos ou contratos de publicidade […] Os maiores clubes são os que conseguem vencer em todas as frentes“.

O FC Porto é hoje o maior e melhor clube em Portugal porque vence – e vence frequentemente – em todas as modalidades. É um verdadeiro clube grande e eclético. Em 2010/2011 o FC Porto foi campeão nacional em todas as modalidades colectivas em que participa: Futebol, Andebol, Basquetebol e Hóquei em Patins.

E venceu mais títulos em muitas delas e em vários escalões. No futebol venceu 4 títulos no escalão sénior (um deles europeu), mas também foi campeão nacional em Juniores A e Juniores C, por exemplo. Conquistou também o título em modalidades como o Bilhar, em que foi o melhor em masculinos e femininos.

Este sucesso é feito da conjugação de muitos factores e variáveis, mas há um que se destaca e que penso ser o mais importante: Organização. Até os atletas, que normalmente são mais dados às emoções e às condições de trabalho, reconhecem que a Organização é o ponto forte deste FC Porto.

Além disso, há uma outra característica que é essencial para se fazer parte da estrutura, principalmente em cargos de lideranças e responsabilidade: Competência. Apesar de existir a ideia que o FC Porto é uma “família” onde impera o nepotismo, o facto é que só entra quem tem comprovadas capacidades.


FC Porto: um curioso número de títulos

23/05/2011

O que se viu ontem no Jamor foi uma autêntica festa do futebol que apenas teve uma pequeníssima nódoa, a saída de adeptos Vitorianos aos 75 minutos de jogo. Há muitos anos que não se via uma final da Taça de Portugal que realmente homenageasse o desporto rei.

Os jogadores de Vitória SC e FC Porto deram um espectáculo digno de uma final, entrando em campo para vencer desde o primeiro minuto. O resultado dessa atitude foi um excelente jogo do futebol, como não se via há muito. Também os adeptos estiveram irrepreensíveis.

Estes (esquecendo os menos crentes) foram particularmente exemplares no apoio às suas equipas, sem violência e sem rivalidades levadas ao extremo. Confraternizaram antes do jogo nos famosos pic-nic’s, e respeitaram-se mutuamente durante e depois do jogo.

Gosto particularmente dos adeptos Vitorianos. Em Guimarães não há adeptos do FCP, SLB ou SCP, que têm como segundo clube o Vitória SC. Em Guimarães as pessoas são do Vitória SC e de mais nenhum. Isso, demonstra um carácter e personalidade que admiro muito.

Os Vitorianos não mereciam uma derrota tão pesada, mas a sua equipa foi impotente perante um FCP histórico, que esta época está “com a corda toda” e praticamente imparável. Mesmo com alguns “suplentes” e apenas um treino, não perde qualidade e cilindrou novamente.

Se noutros jogos as estelas foram Helton e Falcão, nesta final da Taça brilharam Beto e James Rodrigues. O miúdo de 19 anos deu mais uma prova do seu talento e qualidade com 3 golos e 2 assistências. Daqui a 2 épocas, quando Hulk se for, temos substituto à altura.

De resto apena um apontamento para mais um feito do FCP de Villas-Boas. Venceu 4 títulos numa só época (Igualando o FCP de Tomislav Ivic em 1988), ultrapassando o grande rival SL Benfica, em número total de títulos de futebol. O FCP tem agora 69 conquistas.

Curioso número, diria Mota Amaral…


Não é o Special Two, é o Special Too

19/05/2011

A vitória do FC Porto na Liga Europa 2010/2011 é mais uma prova (entre tantas) da grandiosidade do clube na Europa do futebol. O FCP é claramente um dos melhores clubes do Mundo. Há várias décadas que assim é, mas nesta última tirou todas as dúvidas, se é que as havia.

Tal como escrevi há tempos “Uma equipa não é a melhor por vencer uma vez, é-o por vencer constantemente“. E o FCP fá-lo como poucos na Europa do futebol. Nem os maiores colossos (Man Utd, FC Barcelona, Real Madrid, Inter Milão, AC Milan, Bayern Munique) conseguem vencer desta forma.

Nos últimos 10 anos o FCP venceu 7 campeonatos, 5 Taças de Portugal, 6 Supertaças Portuguesas, 2 Taças UEFA, uma Liga dos Campeões Europeus e um Campeonato do Mundo de clubes. Duvido que haja paralelo. Este palmarés é incrível e deita por terra qualquer argumento adversário.

Se há uns anos atrás o rosto do domínio do FCP na Europa (já que em Portugal tem sido constante) foi José Mourinho, o Special One, este ano, é André Villas-Boas, o Special Too (e não Special Two). O treinador do FCP é um exemplo de competência, liderança, carácter e humildade.

Ontem de manhã escrevi no twitterUm dia vou festejar um título europeu do FC Porto, na cidade de Lisboa. Hoje é esse dia“… graças a André Villas-Boas, ontem foi mesmo esse dia. E soube bem, muito bem. Só me faltaram os meus amigos portistas de Santo Tirso, para o festejo ser perfeito.


%d bloggers like this: