Trump vs Obama – a opinião de um Cubano

27/04/2017

São 23:00 em Las Vegas, no estado de Nevada, Estados Unidos da América. Chamo um Uber para me levar ao hotel, e o Rodolfo aparece em 2 minutos. O Rodolfo é simpático, diz que nos vai levar pela “strip”, apesar de o GPS aconselhar a auto-estrada (interstate 15), porque afinal de contas estamos de visita e é sempre bonito ver as luzes e o buzz.

Depois de responder que somos de Portugal, devolvo a pergunta. O Rodolfo é cubano. Está nos EUA há 20 anos, e tem a mulher, filhos, irmãos e sobrinhos em Vegas. Pergunto se visitou Cuba desde que chegou aos EUA. Rodolfo diz que sim, um par de vezes. Mas que não quer voltar, nem gosta muito de lá ir.

Pede para não confundir. Diz que é um orgulhoso cubano, que Cuba é linda e que deviamos mesmo lá ir. A comida, as praias, o mar, as cidades. Diz que tudo é lindo e vale a pena visitar. Mas para viver… “Não sou comunista. O comunismo não é bom para as pessoas“.

A minha mulher pergunta então o que acha de Donald Trump e acho que ambos esperávamos uma onomatopeia e um torcer de nariz. Mas… “Trump has not messed with us. I have no complaint”… e mais “Obama was the one who passed a law which would not allow cubans from coming to the USA and stay“.


Eleições no Reino Unido. A minha opinião e paralelo

09/05/2015

Cheguei a Londres em Março de 2012. Desde essa altura que todas as sondagens davam a vitória (mais ou menos folgada) a Ed Miliband, líder to Partido Trabalhista. Um homem que não foge ao padrão do político do século XXI. Iniciou-se na política com 25 anos. Antes disso estudára na University of Oxford e na London School of Economics, seguindo-se uma curta passagem no Channel 4, como apresentador de um programa sobre política.

A verdade é que o perfil, e o histórico pessoal e profissional não era muito diferente de David Cameron, líder do Partido Conservador e Primeiro-Ministro. Também ele se iniciou na política com 20 e poucos anos, juntando-se ao Partido Conservador logo após concluír a sua licenciatura na University of Oxford. Sendo que o único emprego fora da política que se lhe conhece é como Director de um grupo de média que detinha vários canais de TV.

Quando cheguei ao Reino Unido, em 2012, as semelhanças com Portugal eram enormes (apesar de os problemas e as dificuldades serem de dimensões completamente diferentes).

  1. Dois anos antes, um Governo do Partido Trabalhista tinha deixado o país em mau estado.
  2. O líder da oposição, Ed Miliband, tinha sido Ministro desse Governo (de Gordon Brown).
  3. O Governo em funções era de coligação – Partido Conservador e Liberais-Democratas.
  4. O Primeiro-Ministro David Cameron via-se forçado a aplicar medidas de austeridade.
  5. Apesar de ter sido cúmplice e co-responsável, Ed Miliband bramava contra a actuação do Governo.
  6. O resto da oposição e os média aliavam-se ao protesto e indignação dos trabalhistas.

A verdade é que os sinais positivos iam aparecendo aos poucos, mas a grande velocidade. Todos os índices estavam a ir na direcção desejada. Emprego a crescer, défice a estabilizar, serviços a melhorar. E como bónus os impostos sobre o rendimento desciam (o Personal Allowance subiu de £8,000 para £10,000 em 3 anos).

O Primeiro-Ministro ia cumprindo algumas promessas, batendo o pé à UE ou avançando com o referendo por uma Escócia independente. E ia avisando sobre medidas que intencionava implementar, como o fim do turismo de saúde (estrangeiros que entram no Reino Unido apenas para se aproveitar do NHS – serviço nacional de saúde) e do equivalente ao rendimento mínimo garantido, para qualquer pessoa (nacional ou estrangeira) que vivesse no país.

Naturalmente que muitas outras promessas foram quebradas e medidas esquecidas, mas a verdade é que David Cameron e o Partido Conservador se centraram naquelas que sabiam ter mais impacto na sociedade e aceitação no eleitorado.

Chegados à campanha eleitoral…

  1. Ed Miliband e o Partido Trabalhista, resolveram radicalizar ainda mais o seu discurso (talvez a reboque de Syrizas, Podemos e afins). Adoptando um discurso demagógico e fazendo promessas populistas.
  2. Nick Clegg e os Liberais-Democratas, parceiros de coligação no Governo, resolveram culpar David Cameron e o Partido Conservador pela austeridade e erros do Governo, e ao mesmo tempo reclamar para si os louros das boas decisões.
  3. David Cameron optou por manter a postura de responsabilidade e sentido de Estado. Reconhecendo a austeridade e afirmando que era um mal necessário, que começava a dar frutos. Poucas ou nenhumas vezes acusando o Partido Trabalhista de ser o responsável pela situação que encontrou.

Mas acima de tudo, a mensagem que David Cameron tentou passar aos eleitores foi a de deixarem o Partido Conservador, no Governo, terminar o trabalho que iniciou. Foram 5 anos difíceis para endireitar o país. E agora, quando as coisas começavam a tomar o caminho certo, não deitar tudo a perder, desperdiçando os sacrifícios feitos ao longo de tanto tempo.

Contra todas as expectativas o Partido Conservador de David Cameron venceu as eleições com uma confortável maioria absoluta. Só precisava de 323 deputados (porque o Sinn Fein normalmente não ocupa os seus lugares de deputados em Westminster) e obteve 331, mais 24 do que nas últimas eleições.

O Partido Trabalhista de Ed Miliband pagou caro pela demagogia e populismo adoptados. Perdeu 26 deputados. Os Liberais-Democratas pagaram ainda mais caro por tentarem desmarcar-se das decisões impopulares e de austeridade que o governo, do qual eram parceiros, teve de tomar. Perdeu 49 deputados.

Em Portugal, o resultado das eleições Legislativas 2015 poderia também ser semelhante. Mas provavelmente não será. Primeiro porque o parceiro minoritário no Governo (o CDS) não é tão estúpido como foram os Liberais-Democratas (aliás já se sabe que a coligação PSD/CDS se mantém para as eleições), e depois porque o povo português tem provado até hoje ser um bocadinho mais estúpido (a exercer o seu voto) do que o povo do Reino Unido.

Oxalá eu esteja enganado…


Pilotos?… Para mim só militares

28/03/2015

Piloto de avião comercial é uma função para a qual é preciso ter extraordinárias capacidades físicas, psíquicas, cognitivas, mentais, intelectuais. É uma profissão na qual é preciso ter extraordinários valores morais e princípios éticos.

Só o mais equilibrado, apto, competente e hábil deveria ser autorizado a concorrer para uma vaga de piloto de avião comercial. E deveria ser obrigatório ter “atrás de si” uma experiência de vôo vastíssima e imaculada.

Há apenas uma “classe” a quem todas estas capacidades são reconhecidas de imediato. Os pilotos de aviões de combate (mais conhecidos por “caças”). Naturalmente militares, e escolhidos entre os melhores, depois de exigentes testes.

Não acho salutar que se deixe outro tipo de pessoa chegar aos comandos de um avião comercial. Alguém que foi hospedeira, comissário de bordo, contabilista, engenheiro ou motorista dos STCP.

Naturalmente que haverá gente que acabaria por ser tão bom ou melhor do que os tais militares. Tenho a certeza que os há por aí. Mas seria, como sempre, a excepção à regra. E por essa não vale a pena correr o risco.

E naturalmente que, mesmo assim, todos os que são pilotos deveriam passar por exigentíssimos e frequentíssimos testes, às suas capacidades e conhecimento técnico (ao contrário dos professores que já sabem tudo e não precisam de ser avaliados).

A verdade é que um piloto de avião de combate inicia a carreira aos 20 e tais, e aos 30 e poucos já é “velho” para a função. Pelo que quase todos podem, nessa altura, ir para aviação comercial (alguns vão mesmo). Onde podem por em prática as suas capacidades, conhecimento e experiência, até aos 50 e tais.


Emigrante, Saudade e o Triste Fado

04/01/2015

Tal como todos os emigrantes, fui a Portugal passar o período de Natal e Ano Novo, para estar com a família e com os amigos. Um dia antes de regressar a Londres estava a passar a tarde com amigos quando um desconhecido me é apresentado. Como é natural, quem nos apresentou acrescentou que eu estava a viver no Reino Unido e tinha vindo passar férias. Vai daí o tal desconhecido, com ar grave, comentou: “Pois… eu sei como é… tenho muitos amigos que infelizmente estão lá fora”.

Confesso que o ar circunspecto e a palavra “infelizmente” me incomodou, mas por respeito ao amigo que temos em comum, e por estarmos rodeados de mais gente, entendi ignorar e fazer de conta que não ouvi. Ao contrário de outras, aquela não era a melhor situação para entrar num argumento. Até porque o que eu tinha para dizer iria deixar mal aquela pessoa. Apesar de provavelmente ela merecer ficar mal, por ser tão pobre de espírito e ter feito o despropositado comentário.

A verdade é que aquela pessoa julgou que com o comentário me agradaria, bem como ao resto da plateia. Achou que estava a dizer uma grande coisa, que lhe ficaria bem naquela situação. Para lhe dar mais alento, eu deixei passar, e quase todos os presentes (mesmo aqueles que me conheciam) fizeram uma expressão de anuência com aquela cara meio triste meio conformado, colando-me aquele selo de pobre coitado obrigado pelo Governo a deixar o país.

Irritou-me profundamente, e noutra qualquer situação eu teria retorquido. Mas, como disse, por várias razões, naquela altura deixei passar (apesar de, desde então, me roer por dentro por ter ficado calado, daí este post). É que odeio esta ideia estúpida e generalizada de que emigrar é mau. Que só emigra quem está desesperado e a isso foi obrigado. Que quem emigra está pior do que se estivesse em casa. Em Portugal é políticamente correcto ter pena do emigrante.

Ao contrário da maioria dos calimeros (*) a quem a comunicação “dita” social dá destaque, estou felicíssimo a viver em Londres. Depois de estudar 6 meses em França (Erasmus), emigrar era algo que procurava desde o início da minha carreira profissional. Foi uma decisão planeada e amadurecida, não fruto de qualquer conjuntura (aliás, tinha emprego seguro, numa das melhores empresas do país). Foi a melhor decisão que tomei, e tem-me permitido crescer e realizar muito mais.

Desde que deixei Portugal tive o prazer de conhecer dezenas de outros emigrantes portugueses (não só no Reino Unido mas em vários países da Europa e de outros continentes). Posso afiançar e testemunhar que a grande maioria deles emigrou por vontade própria (ninguém ou nada os obrigou) e que, acima de tudo, está feliz com a vida que leva na cidade/país que escolheu. Pelo que a ideia e comentários de que somos alvo só demonstram a tacanhez de uma parte do povo portuga.

Para que não haja dúvidas, todos nós adoramos Portugal, as nossas cidades natal, as nossas famílias, os nossos amigos. Todos gostamos de voltar sempre que podemos, e no regresso trazer as alheiras, o vinho, o bacalhau e as bolachas maria (entre muita outra coisa). Mas ao contrário do que diz o fado, Saudade não significa necessáriamente melancolia. Quando a palavra foi criada (séc. XVI) e até há 20 anos atrás, a solidão consumia quem ia para longe. Hoje, no mundo globalizado do séc. XXI, isso notoriamente não acontece, nem nada disso faz sentido.

* ler artigo do Nuno Abrantes Ferreira há precisamente 1 ano no Público


O meu 11 de Setembro

11/09/2014

11 Setembro 2001. Já lá vão 13 anos. Nessa altura era eu estudande universitário, na FEUP, e estava em minha casa, no Porto, onde vivia com 3 amigos de Santo Tirso.

7:58 a.m. – Voo 175 da United Airlines parte de Boston com destino a Los Angeles, com 56 passageiros, 2 pilotos e 7 hospedeiras. O Boeing 767 é desviado e levado para Nova York.

7:59 a.m. – Voo 11 da American Airlines parte de Boston com destino a Los Angeles, com 81 passageiros, 2 pilotos e 9 hospedeiras. O Boeing 767 é também desviado e levado para Nova York.

8:01 a.m. – Voo 93 da United Airlines, um Boeing 757 levando 38 passageiros, 2 pilotos e 5 hospedeiras, parte de Newark para São Francisco.

8:10 a.m. – Voo 77 da American Airlines parte de Washington para Los Angeles, levando a bordo 58 passageiros, 2 pilotos e 4 hospedeiras. O Boeing 757 é desviado logo após descolar.

8:46 a.m. – Voo 11 da American Airlines despenha-se contra a torre norte do World Trade Center. (Acordo uns minutos depois e ligo a CNN. Fico sem reacção, a minha irmã, tia e prima estão em Nova York)

9:03 a.m. – Voo 175 da United Airlines despenha-se contra a torre sul do World Trade Center. (Se a preocupação era muita, desmesurou-se, multiplico-me em telefonemas que não chegam nem a casa, nem a Nova York)

9:21 a.m. – Todas as pontes e túneis que levam a Nova York são fechados. (Alguem já conseguiu falar com elas, estão bem. Tinham ido a um outlet fora de Manhattan.)

9:25 a.m. – Todos os voos, são obrigados a aterrar pela Administração de Aviação Federal. (O meu telefone não para de tocar. Todos os amigos que sabem, ligam a perguntar pela minha irmã)

9:45 a.m. – Voo 77 da American Airlines despenha-se contra o Pentágono. (Elas estão “presas” fora de Manhattan e estão a ser levadas para um hotel onde irão pernoitar)

10:05 a.m. – A torre Sul do World Trade Center cai. (Nem quero acreditar no que vejo. Nunca pensei que caíssem as torres. Alguns especialistas na TV diziam que era impossível)

10:10 a.m. – Voo 93 da United Airlines despenha-se numa floresta da Pensylvania. (Graças ao esforço e coragem de alguns passageiros que confrontaram os terroristas)

10:28 a.m. – A torre Norte do World Trade Center cai. (Foi o fim de um espectáculo horrível. Ver pessoas a atirarem-se das janelas… é o desespero)

(Depois de um par de dias fora de Manhattan com a “roupa do corpo”, a minha irmã,  tia e prima voltaram ao hotel em Manhattan, e logo depois o retorno à Europa, num dos primeiros vôos que saiu de NY. Horas passadas e estavam em casa. Em Portugal. Fica o susto. E algo mais… elas tinham bilhete para subir ao World Trade Center na noite do dia 11. Isto porque a minha tia já tinha estado em NY e tinha subido ao WTC de dia)


NY… a minha experiência e 3 curiosidades

07/09/2014

Acabei de chegar de uma semana de férias em Nova York. As expectativas eram altas, e a cidade esteve à altura. Uma verdadeira metrópole, tal como eu gosto. Era capaz de lá viver (quem sabe se não acontecerá um dia 🙂 ), mas honestamente continuo a preferir Londres.

As avenidas, os arranha-céus, o Hudson e as suas pontes, os parques, as lojas e department stores, os restaurantes e bares para todos os gostos, a multiculturalidade. O frenesim da metrópole. Não falta nada, como seria de esperar, à cidade que nunca dorme. Mas nem tudo é bom.

O melhor exemplo é Times Square. Perdi a conta à quantidade de amigos e conhecidos que me falaram bem. De como era “espectacular” e de como “dariam tudo” para passar lá um fim-de-ano. Pois, achei a coisa mais horrível de NY. Tempo perdido. Uma zona para turista parôlo ver e apreciar. E não, não fui à estátua da Liberdade nem ao topo do Empire.

O melhor que vi – e infelizmente não vi tudo o que queria – foi o Natural History Museum, o Metropolitan Museum, o Central Park, a vista de NY do topo do Rockefeller, Manhattan vista de Brooklyn, a travessia da Brooklyn Bridge, a Grand Central Station, o Hudson River Park. Entre muitas outras coisas que não são ícones.

Todos os dias comi e bebi bem, em locais aconselhados por quem sabe e conhece. E cumpri mais um desejo com muitos anos ao estar no US Open, e poder assistir a 2 jogos dos quartos-de-final no Arthur Ashe, um espectacular estádio de ténis com capacidade para mais de 22.000 pessoas.

De resto, 3 factos curiosos em que reparei nesta minha primeira e curta estadia…

  1. Espanhol é de facto a segunda língua mais falada em NY. Com toda a certeza por influência dos muitos imigrantes vindos dos países da América do Sul. Incrível a quantidade de sinais e avisos escritos em Inglês e Espanhol.
  2. (praticamente) Não existem carros franceses ou italianos. Mais do que se verem marcas de automóveis pouco usuais ou inexistentes na Europa – Lincoln, Mercury, etc. – não se vêem (pelo menos eu não vi) Citroen, Renault, Fiat ou Alfa Romeu – marcas com muitas vendas na Europa.
  3. Enorme quantidade de pequenos bancos, que abriram depois do “crash” de 2008, aproveitando a desconfiança das pessoas em relação às grandes instituições financeiras. Conquistando clientes com base no “serviço” e na “experiência”, mais do que nas vantagens financeiras.

10646820_10152347132991914_3120558946344227353_n


Um genocídio decorre enquanto o mundo olha para o lado

24/08/2014

Enquanto um genocídio toma lugar na Síria e no Iraque – cometido por uma organização que dá pelo nome de “Estado Islâmico” – a opinião pública e publicada, bem como muita gente anónima no Mundo, indigna-se contra Israel e os seus ataques sobre o Hamas.

Duas notas…

Os israelitas estão a tentar acabar (dizimar, mesmo, essa é a verdade) uma organização terrorista. O estado Israelita não tem, nem nunca teve, qualquer intenção a não ser defender o seu território na Palestina.

O “Estado Islâmico” (seja lá o que isso for) já afirmou claramente que, depois de controlar alguns países do Médio Oriente, quer estender-se ao ocidente, nomedadamente à Europa e Estados Unidos da América “afogando as suas populações infiéis no próprio sangue“.

Só não está preocupado com isto quem anda a dormir. E é a dormir que muita gente morre. Ver para crer, os seguintes vídeos (de entre as dezenas que nos últimos dias/semanas têm corrido as redes sociais).


%d bloggers like this: