Campeonato Nacional de Futebol… desde 1974

13/06/2018

Actualização da contabilidade…

Época ¦ Vencedor ¦ Treinador
2017/2018 FC Porto (Sérgio Conceição)
2016/2017 SL Benfica (Rui Vitória)
2015/2016 SL Benfica (Rui Vitória)
2014/2015 SL Benfica (Jorge Jesus)
2013/2014 SL Benfica (Jorge Jesus)
2012/2013 FC Porto (Vitor Pereira)
2011/2012 FC Porto (Vitor Pereira)
2010/2011 FC Porto (André Villas-Boas)
2009/2010 SL Benfica (Jorge Jesus)
2008/2009 FC Porto (Jesualdo Ferreira)
2007/2008 FC Porto (Jesualdo Ferreira)
2006/2007 FC Porto (Jesualdo Ferreira)
2005/2006 FC Porto (Co Adrianse)
2004/2005 SL Benfica (Giovanni Trapattoni)
2003/2004 FC Porto (José Mourinho)
2002/2003 FC Porto (José Mourinho)
2001/2002 Sporting CP (Laszlo Bölöni)
2000/2001 Boavista FC (Jaime Pacheco)
1999/2000 Sporting CP (Inácio)
1998/1999 FC Porto (Fernando Santos)
1997/1998 FC Porto (António Oliveira)
1996/1997 FC Porto (António Oliveira)
1995/1996 FC Porto (Bobby Robson)
1994/1995 FC Porto (Bobby Robson)
1993/1994 SL Benfica (Toni)
1992/1993 FC Porto (Carlos Alberto Silva)
1991/1992 FC Porto (Carlos Alberto Silva)
1990/1991 SL Benfica (Sven-Göran Eriksson)
1989/1990 FC Porto (Artur Jorge)
1988/1989 SL Benfica (Toni)
1987/1988 FC Porto (Tomislav Ivic)
1986/1987 SL Benfica (John Mortimore)
1985/1986 FC Porto (Artur Jorge)
1984/1985 FC Porto (Artur Jorge)
1983/1984 SL Benfica (Sven-Göran Eriksson)
1982/1983 SL Benfica (Sven-Göran Eriksson)
1981/1982 Sporting CP (Malcolm Allison)
1980/1981 SL Benfica (Lajos Baróti)
1979/1980 Sporting CP (Rodrigues Dias e Fernando Mendes)
1978/1979 FC Porto (Jose Maria Pedroto)
1977/1978 FC Porto (Jose Maria Pedroto)
1976/1977 SL Benfica (John Mortimore)
1975/1976 SL Benfica (Mario Wilson)
1974/1975 SL Benfica (Milorad Pavić)

Total
FC Porto = 23 títulos
SL Benfica = 16 títulos
Sporting CP = 4 títulos
Boavista FC = 1 títulos

Anúncios

O PS, a Economia, as Finanças

26/05/2018

Foi isto que ouvimos da boca do actual primeiro-ministro, António Costa.

Aqueles que, como eu, têm alguma memória, um pouco de automomia intelectual, e um pingo de bom senso, recordarão…

O FMI foi chamado a salvar Portugal por três vezes:

  1. Em 1977, o PS estava no Governo e o primeiro-ministro era Mário Soares;
  2. Em 1983, o PS estava no Governo e o primeiro-ministro era Mário Soares;
  3. Em 2011, o PS estava no Governo e o primeiro-ministro era José Sócrates.

E só muito dificilmente o FMI não será chamado outra vez nos próximos (menos de 5) anos, com o PS no Governo e António Costa como primeiro-ministro.

Estamos conversados.


A Carta de Cavaco e Eurico em 1982

15/04/2018

Em 1982, Pinto Balsemão liderava o Governo de Portugal. A Aliança Democrática distribuiu 10 pastas ministeriais ao PSD, 8 pastas ao CDS, 1 pasta ao PPM e 3 pastas a independentes.

Estes eram alguns dos nomes mais conhecidos do Governo:

  • Freitas do Amaral, Vice-Primeiro-Ministro e Ministro da Defesa
  • Gonçalo Ribeiro Telles, Ministro de Estado e da Qualidade de Vida
  • João Salgueiro, Ministro das Finanças
  • Ângelo Correia, Ministro da Administração Interna
  • Basílio Horta, Ministro da Agricultura, Comércio e Pescas
  • Francisco Lucas Pires, Ministro da Cultura e Coordenação Científica

Dois anos passados sobre a morte de Francisco Sá Carneiro – que abriu a porta à chefia do Governo a Pinto Balsemão – o país passava por uma altura difícil, e o Governo não parecia capaz de “dar conta do recado”.

Cavaco Silva tinha sido Ministro das Finanças e do Plano de Sá Carneiro. O meu avô, Eurico de Melo era na altura Ministro da Administração Interna. Ambos muito próximos do líder do partido, da sua visão, e das suas ideias.

Descontentes com o status quo, escreveram uma carta aberta (clicar no link para abrir ou descarregar), em Julho de 1982. O Governo caíria em Junho de 1983, com a demissão de Pinto Balsemão. Seguir-se-ia um desastroso Governo do Bloco Central, liderado por Mário Soares.

Em Novembro de 1985, Cavaco Silva e o PSD vencem, sozinhos, as eleições legislativas, e ficam no Governo até 1995. Pelo caminho obtiveram duas maiorias absolutas. O meu avô esteve no Governo até 1990. Primeiro como Ministro de Estado e da Administração Interna, depois como Vice-Primeiro-Ministro e Ministro da Defesa.


Queriam um político diferente – Aqui o têm

09/04/2018

Era extremamente importante que todos vissem esta intervenção do presidente do PSD. Rui Rio é, de facto, um político diferente.

E para aqueles que dizem que os políticos são todos iguais (a maioria dos portugueses), aqui está alguém em quem podem votar nas próximas eleições.

A comunicação “dita” social e a opinião publicada (diferente de opinião pública) pode dizer o que quiser – o rumo deste homem não vai mudar.


Declarações infelizes do CEO da Novabase?

04/03/2018

Trabalhei na Novabase durante 5 anos, onde iniciei a minha carreira de consultor. Tive a oportunidade de fazer parte de projectos desafiadores e clientes interessantes, e de trabalhar ao lado de gente competente. Aprendi imenso, e construí as fundações para uma carreira que tem sido ascendente e recompensadora.

Foi durante esse período (2007 a 2012) que o Luis Paulo Salvado substituiu o fundador, Rogério Carapuça (pessoa que muito estimo e coloco ao nível de homens como Belmiro de Azevedo) como CEO da Novabase. Confesso que enquanto lá estive apreciei as suas intervenções e o seu desempenho – sempre cuidado e discreto.

Creio que não fica bem, ao Luís Paulo e à Novabase, as declarações feitas recentemente, onde diz que com a entrada da Google e Amazon em Portugal aumenta pressão salarial. O talento, a competência e o bom desempenho deve ser reconhecido sempre, de imediato e sem condições ou dependências.

Só reconhecendo e recompensando é que se consegue manter os melhores recursos, que são absolutamente cruciais, para a entrega de bons produtos/serviços aos clientes. Estes que, estando satisfeitos, continuarão a comprar ou fazer negócio com a empresa, gerando mais facturação e lucros.

Há, no ecossistema da Novabase (estudantes de engenharia, funcionários, ex-funcionários, fornecedores, clientes), uma ideia de que a Novabase paga salários que não estão conformes com o talento e a experiência, e que também não recompensa a competência e o bom desempenho.

Estas declarações do Luís Paulo Salvado vêm de certa forma confirmar isso mesmo. Algo que aliás está bem patente em várias das reviews que a Novabase tem em sites como o Glassdoor. Não fica bem, e tenho pena que assim seja. A Novabase perdeu já muito talento por essa razão. Estava na hora de mudar o mindset.

Infelizmente este não é caso único em Portugal. E não admira que as pessoas não se sintam motivadas e felizes no trabalho. O que tem consequente impacto na sua vida pessoal e familiar. Daí que Portugal tenha vindo a recuar como sociedade. Onde tudo é um fado – tristonho, infeliz e pessimista.


Sai um rissol e um croissant para o corredor da ortopedia

06/01/2018

IMG_2924

Esta fotografia foi publicada no Twitter pela jornalista Isabel Santiago, e ao que parece tirada por enfermeiros do Hospital de Faro, para denunciar as condições em que doentes estão, uns em cima dos outros, em enfermarias ou corredores.

É este o país em que a opinião pública e publicada, os políticos e a comunicação “dita” social discute se os bares dos hospitais devem ou não vender doces e salgados. Tudo, uma cambada de hipócritas – para ser simpático e educado.

Portugal é, sem dúvida nenhuma, e a muitos níveis, um país de 3° mundo. Como escrevi há vários anos, o segundo país mais desenvolvido do continente Africano, as seguir à África do Sul. Mas que por este andar será ultrapassado por outros.

E aquela gente que nas televisões e jornais discute se podemos ou não comprar um chupa ou um rissol, não é digna do lugar que ocupa, do dinheiro que ganha (pago pelos contribuintes) e às vezes nem do ar que respira.


Boas Festas da Senhora Deputada

01/01/2018

IMG_2869

Um dos maiores problemas de Portugal está, na minha opinião, na frequência da Assembleia da República.

A começar pelo seu presidente, Eduardo Ferro Rodrigues, que por diversas vezes, ao longo da sua carreira política, demonstrou falta de integridade, competência ou dignidade, para ocupar tão alto cargo – segundo na hierarquia da República Portuguesa.

Mas principalmente nos deputados, que salvo raríssimas excepções (para as quais este escrito é injusto), demonstram todos os dias sofrer do mesmo mal. Falta de integridade, competência ou dignidade para ocupar tão importante lugar e desempenhar tal função.

A recente polémica da Lei do Financiamento dos Partidos é apenas mais uma prova disso mesmo. De que a Assembleia da República é mal frequentada. Por pessoas que não têm sentido de missão ou de responsabilidade, não têm honra ou brio, não têm respeito ou vergonha.

Sim, sei que foram eleitos, e ainda bem que assim foi. Sou um acérrimo defensor da democracia representativa e participativa. Infelizmente, por razões que não vale a pena dissecar neste post os Portugueses conseguiram eleger para seus representantes o pior que a sociedade tinha para oferecer.

A fotografia acima é apenas mais uma, muito pequena, prova. Andreia Neto, minha conterrânea, deputada do PSD eleita pelo círculo do Porto (não por mérito mas para cumprir a Lei da Paridade nas listas) enviou para minha casa dois postais de “Boas Festas”.

Uma hipocrisia. Andreia Neto tem liderado um cacique no PSD Santo Tirso, que tem por único objectivo servir-se do partido e dos lugares que consegue para proveito próprio. Eu tenho sido um dos maiores críticos da sua acção política. Como fracos políticos profissionais Andreia e o seu cacique levam as coisas para o campo pessoal.

No entanto Andreia envia não um, mas dois postais, e atreve-se a assinar “com amizade“. Quando sabe perfeitamente que nunca fomos, nem somos, amigos – independentemente da vida partidária ou diferenças políticas. Quando ela sabe, que eu sei, que estes postais não são de todo sinceros.

Um desperdício. De papel e de dinheiro dos contribuintes. Se Andreia Neto, os seus colegas deputados, ou a Assembleia da República tivessem um mínimo de respeito pelos Portugueses (e já agora pelo ambiente) enviavam um email (estamos no séc. XXI) que não tinha custos ou, no limite, uma carta por agregado familiar.

Pus-me a pensar. Será que todos os 230 deputados enviaram estes postais de “Boas Festas”, em duplicado ou triplicado, para todos os Portugueses? Para todos os eleitores? Para um grupo restrito de pessoas que alguém, por eles, escolheu? Quantos postais e envelopes? Milhões? Centenas de milhar? Dezenas de milhar? Milhares? Quanto custou?

A verdade é que estas coisas, por pequenas (postais de “Boas Festas”) ou grandes (Lei do Financiamento dos Partidos) que sejam, nem sequer lhes passam pela cabeça. Porque na sua maioria sofrem de Dunning-Kruger Effect, e o poder sobe-lhes à cabeça de tal maneira que pensam que são iluminados ou enviados. Que podem dizer e fazer tudo. Sem nunca se questionar a si próprios, quanto mais serem questionados – os donos deste país.


%d bloggers like this: