O tuga não gosta de desporto

14/07/2010

Há já algum tempo que venho a desinteressar-me pelo futebol. Agora pouco me importam as contratações, pré-épocas, estatísticas, casos, etc. Isso não é desporto, é “encher chouriços” para vender jornais. Terminou o Mundial de futebol, e devo dizer que nem sequer me mexi muito por causa disso. Agora importa-me apenas se o meu FC Porto vence, e se vence bem.

Dou mais importância e mais valor às modalidades ditas amadoras. Desportos onde ainda prevalece o espírito desportivo, o sacrifício, a disciplina, a exigência, a humildade, o mérito. Modalidades onde não há milhões de euros que possam comprar tudo o que há de melhor.

E porquê? Pelo simples facto de ter perfeita noção que, ao contrário do futebol, os envolvidos (atletas, técnicos, dirigentes) ultrapassam dificuldades que os colocam em patamares muito inferiores em relação aos seus adversários (de outros países) e mesmo assim logram vencer. É incrível a forma como os portugueses desprezam estas modalidades e conquistas, em detrimento de um (cada vez mais corrupto) futebol.

Repare-se no que aconteceu nos últimos dias:
Portugal sagrou-se Campeão Europeu de Rugby de 7.
Portugal qualificou-se para Final Four da Liga Europeia Voleibol.
Sérgio Paulinho venceu uma etapa do Tour de France em Ciclismo.

No entanto a imprensa contínua a dar 1ªs páginas às goleadas do Benfica contra o Cascalheiras, às declarações sem importância absolutamente nenhuma dos reforços do FC Porto, às especulações sobre o filho do CR7. Definitivamente o tuga não gosta de desporto. Gosta é de fofoca, casos e afins.


Não é só no Tour…

20/10/2009

O ciclismo é um desporto incrível e interessantíssimo. A Volta a Portugal já vai quase em 80 edições e é uma festa das maiores que se fazem neste país. É já uma tradição, tal como as touradas ou as idas a Fátima. Quem dera que o fair-play dos adeptos e atletas do ciclismo pudesse ser extensível ao futebol e outras modalidades.

Mas infelizmente, nada nem ninguém é perfeito. No ciclismo também há escândalos… como este. Nuno Ribeiro era um dos ciclistas mais respeitados no pelotão português. Vencedor da Volta em 2003 foi surpresa este ano. Pelos vistos foi mais ainda pelos piores motivos. Uma pena. Uma vergonha.


Paulinho, Machado e o Reboque na RadioShack

29/09/2009

Está definida a equipa de Lance Armstrong (RadioShack) para a temporada 2010. Nela se incluem vários ciclistas de renome mas a nós interessa o seguinte: Sérgio Paulinho continuará a pedalar ao lado do heptacampeão do Tour e além disso Tiago Machado, o melhor ciclista português da actualidade, teve a sua recompensa.

Também Andreas Kloden, a quem apelidei de “reboque” do americano do Tour 2009 faz parte da equipa onde José Azevedo – um dos melhores ciclistas portugueses de sempre – será Director Desportivo, depois de ter ajudado Armstrong a vencer alguns Tour.


Fosse assim em todos os desportos

13/08/2009

Já não há clubes grandes, as estrelas com nome feito começam a escassear, mas a Volta a Portugal continua a ser uma festa do povo tão impressionante como surpreendente. Quem vê milhares espalhados pelos mais de seis quilómetros de subida até à Senhora da Assunção e uma zona de meta coberta de cabeças, multidão suficiente para encher bem mais do que um estádio de futebol, não deixa de se interrogar: o que leva tanta gente ali? É o ciclismo, sim senhor. Quase todos os presentes têm os seus favoritos, escrevem nomes no chão e em cartazes, gritam os seus nomes até à exaustão. E, o que parecerá estranho para quem vive da clubite, quem ali vai incentiva todos, do primeiro ao último, mesmo tendo um preferido. Porque o ciclismo, mais do que uma festa, é um desporto onde se reconhece valor a todos, onde o esforço de subidas a alta velocidade gera admiração. No fim, e para que a festa seja completa, ainda há espaço para uns piqueniques já quase em desuso… A Volta tem tradições que nunca se perdem. Carlos Flórido no Jornal ‘O Jogo’


Boa volta !!

06/08/2009
Prólogo - Lisboa

Prólogo - Lisboa

Já devem ter reparado que gosto de ciclismo. É de facto um desporto que desde cedo comecei a apreciar. Gostava de ver o espectáculo montado ao redor da Volta a Portugal, quando esta tinha uma etapa que terminava na Póvoa de Varzim (eu conseguia ver da varanda a recta da meta).

Ontem teve início a 71ª Volta a Portugal, em Lisboa, com um prólogo na Avenida da Liberdade. Foi giro, um espectáculo muito bem montado pela organização. Incomodou muitos (trânsito cortado no Marquês e arredores !?) mas divertiu alguns. Nos 2,4 km de percurso o mais rápido foi o “foguete” de Rebordosa… Cândido Barbosa.

Nos últimos anos torcia sempre pelo Cândido, mas este ano estou mais inclinado para a equipa Liberty. Gostava também de ver um português brilhar. Talvez Tiago Machado do Boavista. A etapa que acaba na minha cidade, Santo Tirso, não a vou poder ver ao vivo, mas seguirei pela TV. É uma bela chegada no Monte de Nª Srª Assunção.

Boa volta !!


O reboque de Armstrong

27/07/2009

As figuras do Tour 2009 foram várias: Alberto Contador repetiu a vitória de 2007 e demonstrou que é o mais forte ciclista da actualidade. Incrível a força do espanhol na montanha e no contra-relógio individual.

Os irmãos Schleck foram uns dignos vencidos. Se não fossem estes 2 luxemburgueses, o Tour teria sido um tédio. Rara foi a etapa que não contou com animação e emoção oferecida pelos 2 manos.

Mark Cavendish é indiscutivelmente o melhor sprinter do mundo. Vencer 6 vezes no Tour é obra. Principalmente quando se tem adversários do nível de Thor Hushovd ou Gerald Ciolek.

Bradley Wiggins e Vincenzo Nibali foram as agradáveis surpresas. Os chamados outsiders acompanharam os grandes nomes e perfilam-se como o futuro da modalidade. Com certeza em 2010 estarão nas melhores equipas.

Por fim, destacar Andreas Kloden. A este alemão cheio de força e com uma capacidade de sofrimento enorme, chamarei a partir de hoje “Reboque de Armstrong”. Kloden rebocou autenticamente o americano até ao 3º lugar (quem percebe de ciclismo sabe do que estou a falar).


%d bloggers like this: