Arséne, o “not so gentle” man

19/10/2014

No futebol, tal como em muito outras coisas, há mitos. Um dos maiores mitos, no que concerne a treinadores, é que Arséne Wenger (o francês que lidera o Arsenal FC há quase 20 anos) é um gentleman.

A razão para esse mito talvez seja o facto de ele continuar a falar inglês com aquele charmoso sotaque francês, ou talvez por ser um homem sempre bem vestido e bem parecido (1,91 m).

A verdade é que Arséne é tão “gentleman” como aqueles a quem os media pretendem atacar quando usam o francês como termo de comparação – na maioria das vezes, José Mourinho.

Quem ainda ficou com dúvidas, depois de há umas semanas atrás (num Chelsea 2-0 Arsenal) Arséne ter-se dirigido a Mourinho para o provocar (fisicamente), pode ver o que aconteceu esta semana.

Depois de mais um resultado negativo (Arsenal 2-2 Hull) o “not so gentle” man francês tratou de forma ignóbil uma (mulher) jornalista da BBC que lhe fazia perguntas desconfortaveis, mas legítimas.


#CR7 e a típica inveja tuga

13/01/2011

Impressiona-me sobremaneira, ver tanto português elogiar Lionel Messi e ignorar Cristiano Ronaldo. Não está em causa se um é melhor do que outro, está apenas em causa a atitude para com cada um.

Não sou apologista de bairrismos provincianos, mas qualquer português deveria ter orgulho em Cristiano Ronaldo, no que ele representa e a forma como representa.

Não haja dúvidas que se deve a ele o facto de agora, os Portugueses serem considerados e olhados de outra forma (uma forma bem mais positiva) pelos estrangeiros, em todo o mundo!

Nestes últimos dias fez-me impressão ouvir muita gente minha conhecida (e de outros) relevar o facto de Messi ter marcado 3 golos em jogo da Taça frente ao Bétis (da 2ª divisão!).

E fez principalmente porque não vi os mesmos, 2 ou 3 dias antes, a elogiar as qualidades do CR7 da mesma forma, quando este marcou 3 golos e fez uma assistência em jogo do Campeonato frente ao Villareal (3º classificado!)

Não se trata obviamente só de um jogo. Mas também não é preciso recuarmos muito na estatística. Nesta época, Cristiano leva 23 golos apontados na Liga (50% do R.Madrid) e Messi leva 18 golos (30% do Barcelona).

Irrita-me esta forma de actuar dos Portugueses, que não conseguem digerir o sucesso de um compatriota seu… é típica inveja tuga… E o mesmo se passa com Mourinhos e afins…


José #Mourinho, o necessário e o suficiente

11/01/2011

Está provado que, ao contrário do que em tempos disse Vicente del Bosque, para ser o melhor treinador do mundo não é suficiente ter os melhores jogadores, mas sim conseguir construir a melhor equipa – afinal de contas o futebol é um desporto colectivo. O espanhol não poderia ser o melhor treinador do mundo.

Está provado que, ao contrário do que dizem os apoiantes de Pepe Guardiola, não é necessário jogar bonito para se ser o melhor treinador do mundo, o que é preciso é vencer – afinal de contas os títulos conquistam-se com vitórias. O outro espanhol não poderia ser o melhor treinador do mundo.

José Mourinho constrói boas equipas e vence. Fá-lo com muito trabalho, exigência e estudo. Socorre-se da ciência, da tecnologia e dos melhores adjuntos. Coloca emoção e muita ambição nas suas acções. Transmite confiança e motivação.

É naturalmente um líder, tendo uma capacidade e um carisma fora do vulgar. Ao mesmo tempo é humilde no seu trabalho, delegando funções, responsabilizando os colaboradores e confiando totalmente no trabalho que lhes atribui.

Por isto e por muito mais, José Mourinho é indiscutivelmente o melhor treinador do mundo na actualidade. Como todos os grandes homens da história mundial, não é perfeito, longe disso. Mas o prémio é para o treinador, não para o homem.


%d bloggers like this: