Sócrates vs Passos Coelho: Ficou claro como água

O debate de ontem não surpreendeu quem anda atento à vida política, e olha para ela sem clubite. Mostrou um Sócrates nervoso sem propostas e sem soluções, e um Passos Coelho seguro e sem medo de discutir as suas propostas e medidas concretas.

A táctica de ambos esteve bem à vista logo na parte inicial. Sócrates ia preparado para empurrar o debate para o programa do PSD (nomeadamente as propostas mais polémicas), enquanto que Passos Coelho tinha como objectivo escrutinar as responsabilidades do Governo.

O PM terá dito algumas 6/7 vezes que se o PSD quer ganhar eleições tem de discutir as propostas que apresenta (Curiosamente não pensa o mesmo do PS. Parece que o partido do Governo está escusado disso). Passos Coelho esteve bem, nunca se esquivou e discutiu sobre tudo.

O candidato a PM, por seu lado, tentou fazer a avaliação da Governação. Conseguiu e bem, em algumas ocasiões, cumprir esse objectivo. Mas o facto é que os temas resvalaram muito para o programa do PSD, porque Vitor Gonçalves deixou que Sócrates liderasse o debate.

Sobre isso um aparte. Sócrates raramente respondeu ao moderador. Divagava durante 30 segundos e voltava ao PSD, terminando as intervenções com perguntas a Passos Coelho. Às tantas Vitor Gonçalves até se queixa de estarem desde início no mesmo tema. A culpa era dele, não teve pulso.

O primeiro terço do debate foi o pior sendo preenchido com ataques, rasteiras, acusações e sem ideias. O terreno preferido de Sócrates, onde tem espaço para os seus truques de “ilusionismo”. No debate com Portas sacou da capa vazia, ontem de um DVD. Patético.

À entrada do 2º terço do debate Passos Coelho começa finalmente a falar em propostas e a partir daqui viu-se claramente a diferença entre PS e PSD. Passos Coelho foi objectivo e concreto ao expor medidas (ainda que polémicas). Sócrates optava por fugir e desviar para o PSD.

A certa altura Sócrates responde finalmente a uma pergunta de Vitor Gonçalves mas… com generalidades. Disse que iria combater o desemprego com “crescimento económico, mais qualificações, mais oportunidades“, e logo desviou as atenções para as propostas concretas do PSD.

Aos 40 minutos de debate já se tinham discutido propostas do PSD em 3/4 domínios (Saúde, Economia, Trabalho). A táctica do PS estava a vingar, mas o que Sócrates não contava era que isso fosse uma desvantagem. Estava à vista a falta de ideias do PS e a força do PSD.

Sobre um dos temas em voga, o da baixa da TSU acordada com a Troika, mais do mesmo. Sócrates respondeu a medo e genericamente “vamos estudar e descer moderadamente” e logo desviou para a proposta de Passos Coelho, acusando-o de ter apresentado apenas a parte boa.

É preciso ter uma grande cara de pau para se dizer isto, depois daquele anúncio de acordo com a Troika a 3 Maio. E neste domínio da lata e do delírio, sublinhar também que Sócrates voltou a dizer que Portugal não precisava de ajuda externa, antes do chumbo do PEC 4.

Aliás os últimos 10 minutos foram trágicos para o PM. Sócrates já sem armas para atacar (leia-se insultos, acusações, remoques) e sem ideias, começou a por em prática a táctica que usou em 2009 com Manuela Ferreira Leite. Chamar pessimista, maliedicente e anti-patriota a Passos Coelho.

Conclusão: o debate foi um bom espelho da realidade. E ficou tudo clara como àgua. Sócrates inseguro a falar de intenções, mas sem apresentar uma única medida. Passos Coelho confiante e firme, deixando medidas concretas e objectivas, sem medo do voto dos portugueses.

Anúncios

6 Responses to Sócrates vs Passos Coelho: Ficou claro como água

  1. Pedro Ferreira diz:

    Muito bem analisado.

  2. Olá!
    Posso transcrever no blogue “O cão que fuma”?
    Antecipadamente grato./-
    Jim Pereira
    jimpereira@gmail.com

  3. Simonov Cardoso diz:

    Viva!

    Não vou compartilhar o meu ponto de vista quanto a esta matéria, mas… Gostaria de realçar que dificilmente o Luís Melo consegue dissimular a “clubite” latente neste artigo, o que, de resto, é apoiado pelo fato de ter publicado 37 artigos relacionados com o PSD (>95% com títulos bem favoráveis) e 6 artigos relacionados com o PS (100% com títulos desfavoráveis). Assim, em matéria de isenção… Está à vista! 🙂

    Note: não há mal nenhum nisso. Mas não nos venha sugerir que esta análise é imparcial! 😉

    Um abraço e continue este seu trabalho! A pluralidade de opiniões é um dos alicerces da Democracia!

    • Luis Melo diz:

      Caro Simonov, não sei se é pelo facto de o seu “nome” ter origens russas, que lhe custa tanto ouvir opiniões diversas. E não vale a pena disfarçar dizendo ironicamente que “A pluralidade de opiniões é um dos alicerces da Democracia”. Se não gosta do que lê, tem bom remédio. Escusado é vir aqui legendar com estatísticas. Sou militante do PSD, digo-o aqui no blogue, na página em que me apresento. Não escondi isso de ninguém. É portanto natural que esteja mais vezes de acordo com o PSD do que com o PS. No entanto, e como pode confirmar, também critico o meu partido quando assim é preciso. Tal como disse atrás, neste post “tentei ser imparcial. De qualquer forma esta é a minha visão. Pode haver outras interpretações, que respeito”. Como vê, não sugeri que era imparcial… leia com mais atenção da próxima vez. Obrigado

Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: